Com aumento de 1.381% no número de casos, audiência debate cenário “apavorante” da dengue no Paraná

Compartilhar

Crédito: Orlando Kissner / Alep

Um aumento de 315% no Brasil, 1.381% no Paraná e uma projeção de 4,2 milhões de casos no país até o fim de ano. A epidemia da dengue alcança números impactantes e os desafios para o combate à doença no Estado foram temas de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Paraná. O encontro promovido pela deputada estadual Márcia Huçulak (PSD) reuniu especialistas e lotou o Plenarinho para debater e identificar estratégias eficazes e sustentáveis para barrar o avanço da doença cujo cenário foi definido como “aterrorizante”.

“A dengue tem abalado o Brasil, nos desafiado e é uma doença que precisa do trabalho de toda a sociedade. Só o setor saúde não vai dar conta. Nós estamos com as emergências cheias em várias regiões no estado. Nós já temos 16 óbitos confirmados no Paraná. E a tendência, segundo o Ministério de Saúde, é de passar de 4 milhões de casos no Brasil”, afirmou a parlamentar.

O atual patamar nunca foi atingido tão rapidamente, segundo dados do Ministério. Até o dia 20 de fevereiro, foram registrados 688.461 casos prováveis no Brasil – 315% a mais do que no mesmo período de 2023, ano em que o país bateu recorde de mortes. Este ano, já ocorreram 122 óbitos no país; outros 456 ainda sob investigação. Há ainda 5.561 casos de dengue grave ou com sinais de alarme.

O Paraná é o quarto estado com maior número de casos prováveis, 72.526 – bem à frente do Rio de Janeiro com 51.532 casos e que decretou epidemia na quarta-feira (21). Em número de casos absolutos, Minas Gerais aparece em primeiro lugar (232.683), seguida por São Paulo (117.571) e Distrito Federal (80.979).

O número atual no estado é o dobro dos piores momentos já registrado na crise de 2019-2020. O alerta da coordenadora estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Lucia Belmonte, foi acompanhado de um prognóstico ainda pior. “Um estudo da Fiocruz, publicado esta semana, aponta que a dengue está afetando municípios que nunca foram impactados e está avançando para o todo o território”, disse Ivana, que representou o Secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

Um dos motivos para o agravamento, na avaliação da especialista, é o fenômeno El Niño. “As mudanças climáticas, com muita temperatura elevada, precipitações de chuva muito intensas facilitaram a proliferação vetorial”, acrescentou.

Há mais de 30 anos neste enfrentamento, ela considera que só uma mudança de cultura pode contribuir para frear a doença. “Qualquer pessoa sobre que fazer para prevenir a dengue. E por que não fazemos? Então, essa mudança cultural é importante para que a gente tenha realmente uma alteração de cenário epidemiológico”.

Em Curitiba, o panorama é o mais crítico da história em relação à dengue, com 349 casos, com 311 casos importados de outros estados A avaliação é da superintendente de Gestão em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Flávia Celen Quadros. Ela representou a secretária Beatriz Battistella Nadas.

“Em 45 dias, registramos mais da metade dos casos de 2023, e oito vezes mais casos do que no mesmo período do ano anterior. Temos 12 pessoas internadas O cenário para a Macrorregião Leste é aterrorizante”, afirmou. “É uma região enorme, com quase 50% da população do estado. Além da capital, inclui a Região Metropolitana de Curitiba, região de União da Vitória, Ponta Grossa e Guarapuava, onde não tínhamos tanta dengue”, acrescentou Huçulack.

A conselheira estadual de Saúde Maria Lucia Gomes confessou estar “apavorada”. “Nunca tivemos a situação que estamos vendo hoje. Estou apavorada. Curitiba sempre foi exemplo, mas esse ano não é mais. É um horror. Nós temos de fazer a nossa parte. É revoltante porque a sociedade não tem noção do quanto e investido para conscientizar a população. Fico triste de ver os agentes terem de fazer mutirão para limpar o quintal de um cidadão. Isso custa caro. É uma fortuna também o custo de uma pessoa internada. E vacina é para 90 dias, aí já morreu todo mundo. A dengue tipo 3 mata!”, alertou Maria Lúcia, que representou o presidente do Conselho, Rangel da Silva.

O diretor de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Curitiba, Pedro Henrique de Almeida, falou sobre a ponta de atendimento, a abordagem terapêutica e a necessidade de considerar a possibilidade de dengue com o exame laboratorial, sem a necessidade de qualquer exame laboratorial diante dos sintomas e em regiões endêmicas. “Identificar, hidratar corretamente e pactuar a retaguarda adequada nas regionais”, citou.

Chegada da vacina

A audiência pública coincidiu com a chegada primeiro lote de vacinas contra a dengue, enviado pelo Ministério da Saúde e o anúncio foi feito aos presentes no Plenarinho. Segundo o Governo do Estado, a remessa com 35.025 doses do imunizante Qdenga, produzido pela farmacêutica Takeda, teve seu envio antecipado após diálogos das secretarias estaduais com a pasta federal. Ao todo serão encaminhadas 523.005 vacinas para os estados. A faixa etária definida como prioritária para a imunização é de crianças de 10 a 14 anos.

“O maior número de internações que se observa é nessa idade. Mas temos poucas vacinas. E não dá para confiar só na vacina, especialmente, porque são necessárias duas doses, com um intervalo de 90 dias. Só então a pessoa terá imunidade. Por isso, nós temos de fazer um trabalho nas escolas, nos condomínios, nas casas, onde estão 75% dos focos do mosquito”, ponderou a parlamentar

Repelente

O presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná, Romualdo Gama, falou da articulação para a chegada da vacina. Ele lembrou, também, que nem todos os repelentes são eficazes, sendo os mais indicados os que possuem a substância icaridina. Ele ainda citou que a maior concentração de picadas do mosquito é pela manhã até 15 horas e reforçou a importância de limpeza de caixas d´água A deputada Márcia Huçulak aproveitou para informar que a prefeitura de Curitiba tem disponibilizado repelentes nos Armazéns da Família por R$ 10,25.

Assustador

O secretário municipal de Saúde de Antonina, Odileno Garcia Toledo, fez um desabafo sobre a situação da cidade, cujo um cenário é “ideal” para a proliferação da dengue: região de mata atlântica, com humidade, calor intenso, chegando à sensação térmica de 50 graus e uma região portuária, com grande movimento, acarretando mais incidência no número de casos.

“Temos 1.417 registros, não atualizados e, infelizmente, tivemos a notícia do segundo óbito. É ruim para nós e nos coloca em uma situação de derrota contra a doença. O ano passado foi o ano que mais trabalhamos com a dengue, com campanhas nas escolas… Ainda assim, vimos aumentar o número de casos. Estamos com equipes sobrecarregadas, trabalhando em mutirão. A cidade inteira tem casos confirmados. Assusta”, contou.

O presidente da Associação das Administradoras de Condomínios do Estado do Paraná (AACEP), Claudio Marcelo Baiak, colocou a entidade à disposição dos Órgãos públicos para reforçar o combate ao mosquito. A ACCEP reúne aproximadamente 150 mil unidades em condomínios, abrangendo cerca de 550 mil pessoas em todas as regiões do estado. “Importante reforçar o treinamento dos colaboradores para facilitar o acesso aos agentes de saúde”, afirmou.

A secretária de Saúde do município de Paulo Frontin e vice-presidente adjunta do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (COSEMS), Bruna Cristina Markevicz, ressaltou a preocupação com a epidemia pelo aumento dos gastos dos municípios com a saúde e a importância de apoio, inclusive financeiro, às gestões municipais para manter as ações de combate.

Também compôs a mesa a presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Paraná, Ethelly Feitosa Rodrigues Santos.

Relatório

Ao final do evento ficou definida a elaboração de um relatório com sugestões e recomendações a ser encaminhado a órgãos competentes. “Também vou apresentar o relatório aqui na nossa casa, onde tenho conversado com os deputados da importância de todo mundo atuar nas suas regiões, afinal nós temos um poder de voz”, concluiu Huçulak.


Compartilhar

Autor

Notícias Relacionadas