Velório de José Gregori, ex-ministro dos Direitos Humanos, acontece em São Paulo

Compartilhar

Foto: Gervásio Batista 

O corpo do advogado José Gregori, ex-ministro da Justiça e ex-secretário nacional dos Direitos Humanos no governo Fernando Henrique Cardoso (FHC), será velado nesta segunda-feira (4), em São Paulo. Ele também foi membro fundador da Comissão Arns. O sepultamento será às 15h, no Cemitério da Consolação, na região central da capital paulista. Gregori faleceu neste domingo aos 92 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês e deixa três filhas. 

Em publicação em uma rede social, a Comissão Arns lamentou o falecimento e disse que o legado de Gregori em defesa dos direitos humanos será sempre lembrado. “Nossa solidariedade aos familiares”, diz a postagem. A Fundação FHC afirmou que Gregori foi um democrata e um defensor dos direitos humanos em mais de 60 anos de vida pública. “Lamentamos profundamente sua morte. Estendemos os nossos sentimentos de pesar às suas filhas, netos e netas”.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o jurista sempre foi um grande defensor dos direitos humanos e do Estado Democrático de Direito no Brasil, principalmente, nos momentos mais desafiadores para a democracia. Disse, ainda, que ele defendeu sempre seus ideais, mesmo nos momentos mais difíceis da nossa história recente. “Neste momento de tristeza, envio meu abraço aos seus familiares, amigos, companheiros de militância política e admiradores”, afirmou o presidente.

Sentimentos

O PSDB, partido ao qual Gregori pertencia, disse lamentar profundamente sua morte, e que democracia brasileira e o sistema judiciário devem muito à sua luta. “Fica o sincero agradecimento por todo seu trabalho para garantir uma vida mais digna para as pessoas. Nossos sentimentos à família”.

O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania (MDHC), por meio do ministro Silvio Almeida, também expressou luto e disse que Gregori teve sua trajetória marcada pela defesa dos direitos humanos e da democracia. “O Ministério manifesta condolências aos familiares, amigos e admiradores de José Gregori, cuja vida foi um exemplo a ser seguido e jamais esquecido”.

Gregori foi ministro da Justiça no segundo governo de Fernando Henrique Cardoso. Ele também comandou a Secretaria Nacional de Direitos Humanos. Em 2011, foi empossado na Academia Paulista de Letras (APL) na cadeira número 15. E foi um dos colaboradores para a fundação da Comissão Arns.

Em 1977, ele foi um dos signatários da Carta aos Brasileiros, em defesa dos direitos humanos, justiça e cidadania e divulgada durante a ditadura militar. Também participou da Comissão Teotônio Vilela, criada em 1983, pelo ex-ministro Severo Gomes, durante 30 anos.

Colaborou para a construção da Comissão dos Mortos e Desaparecidos Políticos e liderou um grupo de ex-secretários e ministros de direitos humanos em visita aos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, para aprovar projeto encaminhado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, determinante para a comissão instalada pela presidenta Dilma Rousseff em 2012. Gregori também foi um dos apoiadores da criação da Comissão Nacional da Verdade.

A Ouvidoria da Polícia do Estado de São Paulo elogiou o trabalho de Gregori e lembrou que o jurista foi um defensor incansável da democracia e referência mundial na defesa dos direitos humanos e lamentou sua partida.

“Gregori, no que acabou se tornando sua última manifestação pública, advertia que ‘é preciso que enxerguemos os direitos humanos não somente como um ideal ético e de princípios, mas como algo que traz resultados efetivos, diminuindo a impunidade na sociedade’. Ideias como essa dão a medida de seus ideais: a dignidade da pessoa humana e o estado de direito acima de qualquer disputa circunstancial”, finalizou.


Compartilhar