Transparência Internacional desmente Bolsonaro e vê ‘deterioração democrática’

Por Davi Medeiros

A Transparência Internacional endereçou a embaixadores, nesta terça-feira, 19, um documento desmentindo afirmações do presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre as urnas eletrônicas e o sistema eleitoral brasileiro. 

A organização afirma que o chefe do Executivo “insiste em mentiras” e alerta a comunidade internacional sobre um “iminente risco de ruptura eleitoral” no País.

O documento, elaborado em parceria com a agência de checagem de fatos Lupa, desmente declarações do presidente sobre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Supremo Tribunal Federal (STF) e supostas conclusões de inquéritos da Polícia Federal sobre o sistema eletrônico de votação. 

Como também mostrou o Estadão Verifica, as dúvidas lançadas por Bolsonaro sobre a segurança das urnas já foram esclarecidas pela Justiça Eleitoral ou têm como base informações inconsistentes.

A Transparência Internacional fez um apelo para que a ação do presidente seja interpretada como grave, não como uma “sandice”. 

A organização apontou uma suposta “deterioração do estado democrático brasileiro” e afirmou que o evento de Bolsonaro com embaixadores dissipa “qualquer dúvida sobre o grave processo de desestabilização em curso” no País.

“Minimizar a conduta do presidente como bravata irresponsável ou sandice é imprudente. A comunidade internacional deve ter consciência da degradação democrática, iminente risco de ruptura eleitoral e conflagração violenta no Brasil, com graves consequências à estabilidade internacional”, diz o documento.

No Twitter, a Transparência Internacional também fez várias publicações.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na última segunda-feira, 18, o presidente Bolsonaro se reuniu com embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada para disseminar informações já desmentidas sobre a lisura do processo eleitoral brasileiro.

O chefe do Executivo tem intensificado ataques ao sistema de votação e tentado desacreditar os ministros da Corte eleitoral, insinuando com frequência que eles agiriam para beneficiar seu principal adversário nas urnas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Estadão Conteúdo / Foto: Reprodução Twitter e Agência Brasil