MPF pede bloqueio de bens de Ricardo Barros e outros envolvidos em compra de remédio que não foi entregue

23 de setembro de 2021
bloqueio de bens
O Ministério Público Federal aponta ex-ministro da Saúde Ricardo Barros como suspeito de fraudar compra de remédios Foto: Wallace Martins

O Ministério Público Federal voltou a pedir na Justiça o bloqueio de cerca de R$ 20 milhões em bens do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo Bolsonaro na Câmara, de quatro servidores e ex-servidores do Ministério da Saúde e da empresa Global Saúde. O pedido de bloqueio de bens está no curso da investigação de compras medicamentos feitas pelo Ministério da Saúde quando Barros era o ministro.

O pedido foi feito na quarta-feira, 22, pela procuradora da República no DF Carolina Martins de Oliveira dentro de uma ação de improbidade administrativa que apontou irregularidades na compra de remédios na gestão de Barros à frente do Ministério da Saúde durante o governo Michel Temer (2016 a 2018).

De acordo com os procuradores, as irregularidades envolvem a compra dos medicamentos para tratamento de doenças raras, com três pagamentos antecipados de quase R$ 20 milhões. Os remédios nunca foram entregues.

O MPF aponta irregularidades como favorecimento de empresas, inobservância da legislação administrativa, de licitações e sanitária, prejuízo ao patrimônio público, descumprimento de centenas de decisões judiciais, além de, pelo menos, 14 pacientes mortos.