Combate ao uso indevido do auxílio emergencial no Paraná leva prêmio da CGU

Por: - 4 de dezembro de 2020
O levantamento, realizado entre os meses de maio e junho, apontou que 15.522 pessoas remuneradas pelos cofres municipais e estadual do Paraná constavam como beneficiários irregulares/ Reprodução

​Realizado em parceria com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR), o trabalho da Superintendência da Controladoria Geral da União (CGU) no Paraná para combater o recebimento indevido do auxílio emergencial por agentes públicos foi contemplado na edição 2020 do Prêmio de Excelência CGU.

A atuação da equipe paranaense comandada pelo superintendente, José William Gomes da Silva, venceu a categoria Trabalho Destaque e Inovação – Superando Desafios.

O auxílio emergencial está sendo pago até o final deste ano pelo governo federal como medida mitigadora da grave crise econômica gerada pela pandemia da Covid-19. Só deveriam ter recebido o auxílio os cidadãos que ficaram sem renda devido à necessidade de isolamento social durante a pandemia, como desempregados, trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores.

No levantamento para apurar irregularidades, foram cruzados os dados da base de pagamentos do auxílio emergencial, mantida pelo Ministério da Cidadania, com as folhas de pagamento de servidores ativos (efetivos e comissionados), estagiários, agentes políticos, aposentados e pensionistas dos 399 municípios e do Estado do Paraná.

Essas informações foram repassadas à CGU pelo TCE-PR, graças ao Acordo de Cooperação Técnica nº 23/2019. No âmbito da administração estadual, o trabalho teve a colaboração da Controladoria Geral do Estado (CGE-PR).

O levantamento, realizado entre os meses de maio e junho, apontou que 15.522 pessoas remuneradas pelos cofres municipais e estadual do Paraná constavam como beneficiários irregulares do auxílio emergencial.

Desse total, 10.835 eram vinculados às prefeituras e 4.687 a órgãos da administração estadual. O montante total recebido naquele período foi de R$ 10.707.600,00.

Em novo balanço, divulgado na primeira quinzena de outubro, a CGU apontou que o montante recebido indevidamente por agentes públicos no Paraná já atingia R$ 12.896.100,00, comprovando que muitos servidores continuaram recebendo parcelas do auxílio emergencial mesmo após o apontamento da irregularidade pelos órgãos de controle externo.

Até a primeira quinzena de outubro, aproximadamente 70% daquele total já havia sido devolvido aos cofres da União, o que confirma a eficácia do trabalho conjunto de fiscalização.

Quem não devolveu espontaneamente o dinheiro pode sofrer processo administrativo no órgão público ao qual está vinculado e também responder a processo criminal, por falsidade ideológica e estelionato.