Justiça Federal condena à prisão contrabandista que fugiu pela contramão da PRF e usou cortina de fumaça

Por: - 18 de outubro de 2019
Posto de Fiscalização da Polícia Rodoviária Federal / Divulgação PRF

A Justiça Federal de Maringá condenou dois homens pelos crimes de direção perigosa e contrabando de cigarros. Em junho de 2019, eles foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na cidade em Mandaguari, a cerca de 30 quilômetros de Maringá.

A dupla transportava mais de 48 mil maços distribuídos em dois veículos. Durante a fuga, um dos motoristas usou um dispositivo que liberava fumaça para bloquear a visão dos agentes da PRF.

Os réus agora foram condenados à prisão e ao pagamento de multa. Raphael Martins foi condenado por contrabando e pelo crime de utilização de radiotransmissor sem autorização. Por não ser reincidente em crime doloso, teve sua pena de liberdade substituída por pagamento de multa e prestação de serviços à comunidade.

Bruno Henrique da Silva foi sentenciado a mais de 15 anos de prisão por contrabando, utilização de radiotransmissor sem autorização, dirigir perigosamente sem habilitação, receptação, perigo para a vida de outrem e resistência à prisão.

Durante a abordagem policial, Bruno desrespeitou a ordem de parada e seguiu no sentido contrário da rodovia. Ele acessou o perímetro urbano da cidade de Marialva e transitou pela contramão em alta velocidade.

Além disso, para fugir da PRF, o motorista passou por vários cruzamentos sem parar e acionou um dispositivo que liberava fumaça na parte traseira da caminhonete, bloqueando a visão das viaturas e causando grave risco à vida.

O juiz federal da 3ª Vara Federal de Maringá, Cristiano Aurélio Manfrin, foi quem proferiu a sentença. Os dois condenados podem recorrer da decisão.

A carga foi trazida de Guaira e seria transportada até a cidade de Londrina. O valor dos tributos federais não recolhidos em relação aos cigarros apreendidos ultrapassa os 150 mil reais.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.