Ulisses Maia diz que vereadores questionaram empréstimo de R$ 42 milhões por motivos eleitorais

Por: - 19 de julho de 2019
Na opinião do prefeito, empréstimo foi criticado por causa da proximidade com as eleições / Pólen Comunicação

O empréstimo de R$ 42 milhões da Prefeitura de Maringá junto à Caixa Econômica Federal foi amplamente discutido pelos vereadores e até criticado por alguns que entendiam que as obras não eram essenciais e que renderiam juros altos para o município. Para o prefeito Ulisses Maia (PDT), as discussões foram motivadas por “questões política e eleitoral”.

“Não é discussão de vereador preocupado com o empréstimo, tanto é que nesse mesmo mandato os vereadores, por unanimidade, aprovaram o empréstimo para os campinhos de futebol que estamos entregando agora”, declarou Ulisses Maia na manhã desta sexta-feira (19/7) durante o lançamento da campanha publicitária de conscientização no trânsito.

“Por que não falaram nada [na época]? Porque foi no começo do mandato. E por que estão falando agora? Estão falando porque querem espaço político eleitoral para serem candidatos no ano que vem. Não é uma preocupação com a cidade, mas com a campanha deles. Só que essa preocupação acaba prejudicando a população”, afirmou o prefeito.

O empréstimo foi aprovado na Câmara de Maringá por dez votos favoráveis e quatro contrários. Votaram contra o empréstimo os vereadores Chico Caiana (PTB), Dr. Jamal (PSL), Jean Marques (PV) e William Gentil (PTB). Os recursos do empréstimo vão ser usados na reforma da rodoviária, aquisição e reforma do Cine Teatro Plaza, na construção de duas Unidades Básicas de Saúde (UBS), na reforma de praças e construção de salões comunitários.

Para Ulisses Maia, não faz sentido afirmar que a construção de Unidades Básicas de Saúde, por exemplo, não é importante para o município. “É inadmissível uma pessoa em sã consciência dizer que uma unidade de saúde não é prioridade. Não é prioridade para quem tem plano de saúde, para quem precisa da saúde pública é prioridade sim.”

Além dos vereadores, as críticas também vieram do ex-vereador e atual deputado estadual Homero Marchese (Pros) e do Observatório Social de Maringá (OSM). Em entrevista à rádio CBN Maringá, a presidente do OSM, Giuliana Lenza, afirmou que o empréstimo aumentava a dívida consolidada do município.

Ulisses Maia disse que o empréstimo é uma prática comum nas prefeituras e que só é autorizado pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) por meio da análise de índices e da capacidade de endividamento dos municípios.

“É uma antecipação em investimento. Aquele investimento que demoraria três anos, por exemplo, você pega o recurso [com empréstimo] e antecipa aquilo. Claro que os juros vão ser diluídos, a população acaba pagando esses juros, mas vai usar essa benfeitoria que será feita. Isso ocorre no Brasil todo e pegamos infinitamente menos do que a nossa capacidade de endividamento”, explicou.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.