Convidado pela ministra Damares Alves, o professor da UEM Elflay Miranda vai assumir o cargo de assessor especial em Brasília

Por: - 25 de janeiro de 2019
Professor Elflay Miranda e a mulher ao lado da ministra Damares Alves / Arquivo pessoal

Mais um maringaense vai integrar o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo Jair Bolsonaro (PSL). Professor do departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Elflay Miranda, de 38 anos, foi nomeado como assessor especial e vai trabalhar diretamente com a titular da pasta, a ministra Damares Alves.

Segundo Miranda, ele foi convidado pela própria ministra no começo do mês para assumir o cargo. Nascido em Florianópolis (SC), Elflay Miranda mora em Maringá desde 2010 e era coordenador do Mestrado Profissional em Políticas Públicas da UEM. Na próxima semana ele pretende se mudar para Brasília e aguardar a posse para começar o trabalho no ministério.

Por causa da nomeação, ele terá que se afastar das atividades na UEM. O ato executivo que autoriza a disposição funcional do professor foi publicado na quarta-feira (24/1) no Diário Oficial do Paraná e o nome dele já consta no site do ministério. Casado e pai de um menino de 8 anos, agora ele se prepara para enfrentar o novo desafio.

Para Elflay Miranda, a atuação na área de políticas públicas foi o principal motivo pelo qual foi convidado para o cargo. “A ministra tem montado o ministério com uma parte técnica e como estava atuando como coordenador do mestrado e trabalho com isso, ela me convidou para integrar a equipe”, disse Miranda que conhece Damares Alves há cerca de 10 anos.

Formado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ele também cursou direito entre 2012 e 2016 em uma instituição de ensino superior particular de Maringá. Elflay é mestre e doutor em sociologia política pela UFSC. O professor disse que o fato de ter que deixar o trabalho como docente pesou no momento de aceitar o cargo.

“Um dos critérios que me fez aceitar o convite, foi ter uma experiência cotidiana em políticas públicas. Acho que contribuir nesse momento com o governo federal também pode acrescentar bastante depois o meu trabalho na academia”, afirmou Miranda.

Outro maringaense que também integra o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos é o pesquisador e antropólogo, Igor Shimura, conhecido como Igor Cigano. Ele é diretor do Departamento de Igualdade Étnico-racial.

Com as nomeações de Shimura e Miranda, três paranaenses ocupam cargos no ministério. A terceira é a jornalista de Curitiba Sandra Terena, atual secretária nacional de Políticas de Promoção de Igualdade Racial. Ela é a primeira indígena a ocupar o cargo.

Ministra coleciona polêmicas

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, a pastora Damares Alves coleciona declarações polêmicas contra indígenas, o movimento feminista e pelo fato de relacionar ciência com religião, quando criticou a Teoria da Evolução proposta pelo britânico Charles Darwin.

Nesta semana, em um vídeo gravado em 2013 a ministra aparece dizendo que na Holanda haveria quem incentivasse a masturbação em bebês e a manipulação genital em meninas. As declarações da ministra foram criticadas pela imprensa holandesa.

Para o professor Elflay Miranda, que irá trabalhar diretamente com Damres, as declarações da ministra estão ligadas a luta dela em prol dos direitos humanos. “Acho que a gente tem que estar mais atento ao trabalho que ela desenvolve na prática, com todo o histórico dela, do que com os recortes que alguma parte da mídia tem feito fora do contexto”, disse.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.