Grupo de Diálogo Inter-religioso de Maringá publica carta aberta a Jair Bolsonaro. Pedido é que Funai fique no Ministério da Justiça

Por: - 23 de janeiro de 2019
Integrantes do GDI de Maringá em Noite de Oração pela Paz / Divulgação

A publicação da Medida Provisória 870/2019, que transfere assuntos dos interesses indígenas e da Funai – antes vinculada ao Ministério da Justiça – para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e o Ministério da Agricultura, levou o Grupo de Diálogo Inter-religioso (GDI) de Maringá a publicar carta aberta a Jair Bolsonaro.

O GDI, composto por lideranças das religiões do Candomblé, Umbanda, Catolicismo, Evangélicos, Islâmicas, Indígenas, Budistas e Bahá’i, pede ao presidente a revogação da Medida Provisória. A carta aberta foi publicada nesta quarta-feira (23/1) em jornais impressos de Maringá.

Na carta aberta a Jair Bolsonaro, o GDI faz menção aos artigos 231 e 232 da Constituição Federal e ao artigo 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que garantem o respeito aos territórios indígenas.

Os líderes religiosos argumentam que para os povos originários a terra não é um “um bem mercantil, mas, sim, herança ancestral e cultural que atende seus usos, costumes e tradições.” Também destacam que o GDI busca a paz e que a “espiritualidade indígena tem acolhido e respeitado as demais religiões”.

Outro argumento posto pelo GDI é que a transferência da Funai do Ministério da Justiça para outros ministérios traz um “risco iminente de mais confrontos e conflitos em relação às terras dos povos originários”.

A carta aberta a Jair Bolsonaro é assinada pelo Arcebispo da Igreja Católica de Maringá, Dom Anuar Battisti, pelo Monge Eduardo Sasaki, do Templo Budista Jodoshu, pela Dra. Mahasti S. de Macedo, da regilão Bahá’i; por Daniele S. Campos, liderança do Candomblé, pelo Sheik Victor Conceição, dos muçulmanos, Rober Newnum, da Igreja Metodista, Dr. Francisco Medeiros, da Umbanda, e pelo pajé José Silva, da religião Indígena.

O GDI cita pesquisa da Folha de S. Paulo, publicada no domingo (13/1/2019), que constatou que a maioria da população brasileira é contra a redução dos territórios dos povos indígenas.

A carta pede “respeitosamente” que o presidente cancele a Medida Provisória e ao fim, apresentam votos de que o governo do presidente Jair Bolsonaro “seja exemplo de grandes realizações em favor dos povos indígenas”.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.