Projetos que suspendem cobrança do IPTU progressivo e alteram critérios para isenções de tributos municipais seguem para sanção do Executivo

Por: - 14 de dezembro de 2018

Os vereadores aprovaram, com 13 votos favoráveis, o projeto do Executivo que suspende a cobrança do IPTU Progressivo para os proprietários de lotes de até 24 mil m² em 2019. Inicialmente, o projeto previa o fim da cobrança para imóveis de até 20 mil m², porém, um substitutivo dos vereadores Mário Hossokawa (PP) e Jean Marques (PV) aumentou a área.

Com o substitutivo aprovado, os vereadores também fixaram que deixa de ser cobrado o IPTU progressivo em áreas de até dois alqueires paulistas que estejam localizadas em rodovias e áreas rurais. Qualquer área que esteja localizada em regiões que não têm infraestrutura urbana para parcelamento do solo ou em que a zona urbana não esteja consolidada, também fica isenta do pagamento do imposto.

Segundo mensagem do Executivo, que acompanha o projeto de lei, a suspensão do IPTU progressivo se deve à “necessidade de aguardar a revisão do plano diretor para as devidas correções”. O projeto de lei determina que a Secretaria de Planejamento Urbano (Seplan) revise, no prazo de seis meses, a legislação que trata sobre o IPTU Progressivo.

Isenções para pagamentos de tributos municipais

A Câmara também aprovou, por 13 votos favoráveis, alterações na legislação que dispõe sobre a concessão de isenções, reduções fiscais e outras formas relacionadas ao pagamento de tributos municipais. O projeto, de autoria do executivo, altera algumas normas definidas pela legislação de 2017.

No artigo que define a isenção de Imposto sobre a Propriedade Predial Urbana (IPTU), por exemplo, a legislação anterior previa apenas que a isenção seria para imóveis de propriedade de empresas enquadradas na Lei do Prodem. Agora, com a nova redação, imóveis locados pelas empresas também podem obter a isenção.

Outra mudança é que agora, para o contribuinte conseguir o benefício, um agente fiscal é responsável pelo preenchimento do questionário socioeconômico, que só é encaminhado para um assistente social em caso de dúvidas. A diferença com a legislação vigente é que o assistente social era o único responsável pelo laudo técnico que prova a capacidade contributiva.

De acordo com a mensagem do Executivo, as alterações melhoram a política de habitação, “ampliando para todos os imóveis de programas habitacionais implementados pelo município. Atualmente, o benefício é concedido para programas vinculados a COHAPAR”. Também foram criados outros artigos com os requisitos necessários para que os contribuintes possam provar incapacidade contributiva.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.