Prefeitura de Maringá gasta 41,2% menos em obras e equipamentos. Mesmo assim, é a quarta cidade que mais investe no Sul do país

Por: - 6 de dezembro de 2018
Maringá teve queda de 42,1% nos investimentos em 2017.

Os investimentos feitos pela Prefeitura de Maringá em 2017, primeiro ano da gestão Ulisses Maia, foram 41,2% menores ante 2016. Foram investidos 207,81 por habitante. Mesmo assim, a cidade é a quarta – entre 17 selecionadas – do Sul do Brasil que mais investiu em obras e compras de equipamentos.

Os dados são do anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, elaborado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Segundo o anuário, as prefeituras brasileiras administraram 2017 com um cenário equivalente ao de 2013.

O documento aponta que 2015 e 2016 foram os anos mais graves de recessão econômica e que só em 2017 as receitas municipais pararam de cair. Mesmo assim, as cidades preferiram manter a política de austeridade e os investimentos baixaram a níveis parecidos com os de 2005.

Analisando o contexto de Maringá, a cidade não chegou a perder receita nos anos mais graves da crise. Apenas em 2017 é que houve uma queda de 0,8% na arrecadação. Se observados apenas os dados de receita corrente, oriunda dos impostos, a queda nunca chegou a ocorrer e a variação de 2016 para 2017 foi positiva em 1,6%.

Se a arrecadação maringaense permaneceu crescendo – mesmo que pouco – as despesas caíram de 2016 para 2017 cerca de 1,7%. Em dinheiro, isso representa R$ 18,9 milhões. A queda veio depois de três anos em que as despesas cresceram em média 2,5% por ano.

As despesas totais do Município em 2017 foram de R$ 2.958,31 por habitante, ou R$ 1,2 bilhão no total. Já os investimentos foram de R$ 207,81 por habitante. O total investido foi de R$ 84,5 milhões, o que equivale a 7% de tudo o que foi gasto pelo município durante o ano e 6,7% de tudo o que foi arrecadado.

Entre os 17 municípios da Região Sul analisados pelo anuário Multi Cidades, mesmo com a grande queda nos investimentos, Maringá fica em quarto lugar entre as cidades que mais investiram, ficando atrás apenas das capitais Porto Alegre e Curitiba; e Blumenau, em Santa Catarina.

No Paraná, apenas Curitiba e Ponta Grossa aumentaram os investimentos. Maringá investiu mais que São José dos Pinhais, que teve uma queda de 50,7% e Londrina, que teve uma queda de 45,8%. No Ranking com as cem cidades que mais investiram, Maringá ficou em 32º lugar. Quando levamos em conta o investimento per capita, Maringá não figura na lista das cem maiores.

Ainda de acordo com o levantamento é possível observar que a arrecadação com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) só fez aumentar nos últimos cinco anos.  De 2016 para 2017 o aumento foi de 5,3%. O valor total foi de R$ 152,4 milhões, ou 36,3% da arrecadação tributária do Município.

A receita com taxas, como a da coleta de lixo e de limpeza urbana, aumentou 7,8% em Maringá. Os gastos com o funcionalismo público o aumento foi de 5,8%, ou R$ 33 milhões a mais em 2017.

Mesmo com a queda nas despesas totais, os gastos com educação e saúde aumentaram. A educação teve aumento de 11,8% e a saúde de 9,6%. Foram investidos R$ 8.948,51 por habitante em educação e R$ 1.034,56 em saúde.

Pesquisa abrange 106 cidades

Para a montagem do anuário Multi Cidades foram selecionados 106 municípios, a maioria com mais de 200 mil habitantes. A seleção incorpora os maiores municípios brasileiros, sendo pelos menos dois por Estado e um deles devendo ser a capital. Os valores foram atualizados conforme Índice de Preços ao Consumidor – IPCA para valores correspondentes em 2017.

Em sua 14ª edição, a publicação utiliza como base números da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresentando uma análise do comportamento dos principais itens da receita e despesa municipal, tais como ISS, IPTU, ICMS, FPM, despesas com pessoal, investimento, dívida, saúde, educação e outros.



Denúncia de suposto assédio em ônibus de Maringá na rede social tem reação enérgica do prefeito. Caso não teve B.O.

A denúncia de suposto assédio em ônibus do transporte coletivo em Maringá feita por meio do Twitter na terça-feira (12/2) chegou até o prefeito...

Concurso do Aeroporto de Maringá tem onze vagas em sete cargos. Salário varia de R$ 1,4 mil a R$ 5,7 mil

O período de inscrições é de 20 de fevereiro a 20 de março. O valor da inscrição varia de R$ 70 a R$ 140.

Após decisão do STF, seis cartórios judiciais de Maringá vão ser estatizados. Saiba quais são

Cabe ao Tribunal de Justiça do Paraná realizar concurso público para estatizar cartórios judiciais privados.

Criado em Maringá, aiqfome é o app de delivery mais bem avaliado do Brasil, à frente do iFood

Na Apple Store, a nota dos usuários do aiqfome é 4.9 e na Google Play, 4.8.

Denúncia de suposto assédio em ônibus de Maringá na rede social tem reação enérgica do prefeito. Caso não teve B.O.

A denúncia de suposto assédio em ônibus do transporte coletivo em Maringá feita por meio do Twitter na terça-feira (12/2) chegou até o prefeito...

Concurso do Aeroporto de Maringá tem onze vagas em sete cargos. Salário varia de R$ 1,4 mil a R$ 5,7 mil

O período de inscrições é de 20 de fevereiro a 20 de março. O valor da inscrição varia de R$ 70 a R$ 140.

Costelaria e choperia de Londrina, Sr. Zanoni, vai abrir no antigo endereço da Costelaria BR3 de Maringá

No cardápio, o Sr. Zanoni oferece assados de picanha, mignon com queijo e costela.

Após decisão do STF, seis cartórios judiciais de Maringá vão ser estatizados. Saiba quais são

Cabe ao Tribunal de Justiça do Paraná realizar concurso público para estatizar cartórios judiciais privados.

Empregos em Maringá

Últimas vagas de Empregos

GUIAS