Acordo libera indenização aos professores celetistas do Paraná. Prazo para formalizar adesão termina no dia 30 de novembro

Por: - 9 de novembro de 2018
Professores que atuaram entre 1988 e 1992 tem até 30 de novembro para fechar acordo / Agência Estadual de Notícias

Acordo libera indenização aos professores celetistas que trabalharam entre 1988 e 1992 na rede pública do Paraná. São cerca de 34 mil beneficiados. Para ter acesso ao pagamento, é preciso que o profissional faça o cadastro no site do APP-Sindicato e entregue toda a documentação exigida até o dia 30 de novembro.

O pagamento foi liberado depois de uma negociação entre o Sindicato e a Procuradoria-Geral do Estado (PGE). A indenização é resultado de uma ação trabalhista onde a justiça condenou o Estado por ter descumprido um acordo com a categoria.

A oportunidade é considerada pela APP-Sindicato o caminho mais viável no momento para os professores receberem o dinheiro. O Sindicato ressalta que o governo tem recorrido em todas as instâncias e questiona os cálculos homologados pela justiça para reduzir em 55% o valor devido aos trabalhadores.

Pela proposta, o governo renuncia da discussão dos valores e se compromete a quitar a dívida o mais rápido possível, o que permite encerrar uma disputa que se arrasta há quase 30 anos nos tribunais. Por outro lado, o pagamento terá um deságio de 40%, mesmo índice utilizado para negociar todos os Precatórios por Acordo Direto.

A exceção dessa regra são os professores com 60 anos ou mais, que têm direito ao valor integral. Segundo o governo, os professores que concluírem o procedimento com o Sindicato até 30 de novembro deverão receber até o final de 2019.

Mais de 10 mil professores já entregaram a documentação no início do ano e devem ser pagos até o fim deste ano. Os trabalhadores que não concordarem com a proposta ou que entraram com ação individual terão que aguardar novos andamentos jurídicos, até as últimas instâncias, com prazos indeterminados para conclusão.

Entenda o motivo da indenização aos professores

Uma mobilização dos professores em 1986 conquistou um reajuste de 2,7 para 3 salários mínimos no piso salarial da categoria.

Dois anos depois, de dezembro de 1988 a dezembro de 1992, o governo estadual reduziu ilegalmente a remuneração dos celetistas ao patamar anterior.

A APP-Sindicato entrou com ação trabalhista em 1989 e obteve a primeira sentença favorável em 1994. Desde então o Estado tem recorrido e, apesar das tentativas, foi mantida a decisão a favor dos trabalhadores.

Para retardar a execução da sentença, o Estado questionou os cálculos apresentados pelo perito do judiciário. Na tese defendida pela PGE, o Estado tenta reduzir em 55% o valor da indenização em relação ao cálculo homologado pela Justiça. Enquanto esse recurso não for julgado, as execuções individuais permanecem suspensas.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.