UEM retoma voto paritário e mais de 29 mil eleitores vão às urnas nesta terça-feira para escolher o novo reitor. Veja a expectativa dos três candidatos na véspera da eleição

Por: - 20 de agosto de 2018
Três chapas disputam a reitoria da UEM (Imagem/ Montagem)

Nesta terça-feira (21/8) a comunidade universitária da Universidade Estadual de Maringá (UEM) escolhe os próximos reitor e vice-reitor, retomando o sistema de voto paritário entre estudantes, professores e agentes técnicos. Três chapas disputam os 29.452  votos de eleitores aptos a votar, estimados em cerca de 26 mil estudantes, 1,6 mil docentes e 2,4 mil agentes.

Em 2011, havia sido instituída uma fórmula na qual os docentes tinham um peso maior, de 70%, os agentes 20% e os estudantes 10%. No sistema paritário, o peso dos votos segue a proporção do número de eleitores de cada segmento da comunidade universitária que compareceu às urnas.

A professora do Departamento de Ciências Sociais e coordenadora do Observatório das Metrópoles, Ana Lúcia Rodrigues, é candidata a reitora na “Chapa 1 – UEM em Frente”. Lilian Denise Mai, professora do Departamento de Enfermagem, é a vice-reitora. Ana Lúcia afirmou nesta segunda-feira (20/8) que a campanha “teve um grande crescimento” e acredita que estará no segundo turno.

“Temos a expectativa que a nossa comunidade vote, porque o voto não é obrigatório. Nós tivemos um grande crescimento na nossa campanha e estamos com entusiamo e a certeza de que estamos no segundo turno. O grande número de apoios, de declarações de voto foi crescente nos 50 dias de campanha e isso nos faz chegar na véspera das eleições com um prognóstico excelente”, disse.

Concorrem na “Chapa 2 – UEM de Todos” o diretor do Centro de Ciências Sociais da Saúde (CCS), Roberto Kenji Nakamura Cuman, ao cargo de reitor e a vice o diretor do Centro de Tecnologia, Leandro Vanalli. Roberto Cuman também afirmou que espera um bom resultado das urnas nesta terça.

“Temos a expectativa de vitória sim. Vimos que a comunidade quer que tenhamos uma reitoria que tenha diálogo, transparência e uma universidade humana, que respeite a todos. Acreditamos que os alunos e acadêmicos vão votar na nossa chapa e nossa expectativa é muito boa. Acredito que nossa proposta é a melhor e que vamos contemplar a todos dentro do nosso planejamento”, disse Cuman.

O atual vice-reitor e professor do Departamento de Zootecnia, Julio César Damasceno, concorre ao cargo de reitor pela “Chapa 3 – Avançar e Inovar”. O chefe do Departamento de Arquitetura Ricardo Dias Silva é o candidato a vice. Damasceno preferiu não fazer previsões sobre o resultado das eleições, mas afirmou que espera um “resultado positivo”.

“É um momento importantíssimo para a UEM e para a democracia, para que as pessoas possam exercer sua liberdade de escolha. Em uma eleição quem decide não são os candidatos, mas quem vota. Estamos encerrando um período importante no qual podemos debater as nossas propostas com a comunidade e esperamos colher um resultado positivo. Estamos certos que vamos ter um resultado bom, mas vamos respeitar a fala das urnas”, disse Damasceno.

Como funcionará o processo eleitoral?

Serão instaladas 40 urnas distribuídas em 12 locais de votação. No câmpus de Maringá as urnas estarão no Restaurante Universitário e no Hospital Universitário. O horário de votação é das 7h às 22h e das 6h30 às 21h30, respectivamente.

Também haverão urnas nos seis câmpus regionais, de Cianorte, Cidade Gaúcha, Goioerê, Ivaiporã, Diamante do Norte e Umuarama. Em todos os locais o horário de votação vai das 7h às 22h, com exceção de Diamante do Norte, onde a votação começa mais tarde, às 12h, e vai até as 22h.

Em Cidade Gaúcha, distante 140 km de Maringá, estudantes do curso de Engenharia Agrícola da UEM ocupam o câmpus da instituição desde a semana passada. Os acadêmicos pedem a abertura de processo administrativo para a apurar a conduta de uma docente, por suposta prática de assédio moral.

O presidente da Comissão Eleitoral, Ricardo Gardiolo, disse que a votação ocorrerá normalmente no câmpus.“Vamos para lá de qualquer jeito e vai ter local de votação. Os alunos que não quiserem votar não tem problema, mas os técnicos de lá terão direito de votar. É uma oportunidade para os alunos manisfestarem seus ideais e objetivos com a paralisação”, afirmou.

Os estudantes dos cursos a distância votam no câmpus mais próximos do polo que estiverem ligados ou ainda em Assaí e Céu Azul. Nestes locais, o horário de votação é das 17h às 22h. Também haverá urnas no câmpus avançado de Porto Rico e na Fazenda Experimental em Umuarama das 7h às 10h e das 7h às 17h, respectivamente.

 

Apuração será realizada na quarta-feira

Para evitar a identificação dos votos, a UEM decidiu que as cédulas de duas ou mais urnas, de setores diferentes, serão misturadas e a contagem dos votos será feita em conjunto. A apuração está prevista para começar na quarta-feira (22/8), às 8h, no auditório Decase em Maringá.

Todas as 40 urnas devem ser encaminhadas para o local lacradas. A previsão da Comissão Eleitoral é que a apuração termine até as 12h. Ricardo Gardiolo disse acreditar que pela “quantidade de candidatos será inevitável um segundo turno”.

Porém, o presidente da Comissão Eleitoral lembra que se um candidato alcançar 50% mais um dos votos válidos, será eleito. Caso isso não ocorra, o segundo será realizado no dia 4 de setembro, uma terça-feira.

SERVIÇO

Todos os eleitores devem levar documento de identificação com foto, como RG, carteira funcional ou carteira de estudante.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.