Prefeitura de Maringá abre sindicância para apurar excesso de horas extras: em abril, 80 servidores receberam mais de 100 horas por trabalho fora do horário

Por: - 9 de maio de 2018

Um grupo de 80 servidores da Prefeitura de Maringá fez mais de 100 horas extras cada um em abril. Em um caso específico, o servidor fez 160 horas além do horário contratual, que na prática significa que ele trabalhou dois meses em um.

Os números foram obtidos e divulgados pelo repórter da rádio CBN, Victor Simião, e mostram que o esforço e as tentativas da administração municipal para reduzir a quantidade de horas adicionais pagas mensalmente aos servidores não têm dado resultado.

Newsletter Briefing
O que aconteceu de importante em Maringá, todo início de noite no seu email.
Saiba mais ou cadastre-se:

No último ano da administração anterior, em 2016, as horas trabalhadas além do expediente contratual consumiram cerca R$ 16 milhões e no primeiro ano da atual gestão houve um aumento de 18%, saltando para R$ 19,3 milhões.

No primeiro trimestre deste ano, os custos continuaram aumentando ante o mesmo período de 2017: de R$ 3,5 milhões foi para R$ 3,8 milhões, mas a quantidade de horas extras em abril, pagas este mês, acendeu o sinal vermelho no Paço Municipal.

Na última folha de pagamento, R$ 2 milhões se referem apenas às horas extras. A partir de então, as secretarias de Fazenda, Recursos Humanos e Controladoria-Geral realizaram uma força-tarefa e identificaram os 80 servidores que mais receberam horas extras.

A sindicância, segundo a secretária interina de RH, Vera Lemes, vai ouvir os servidores identificados como sendo os que mais trabalharam fora do horário contratual, assim como os seus respectivos diretores, para saber os motivos que os levaram fazer as horas adicionais.

Caso seja encontrada alguma irregularidade, o servidores deverá responder a um processo administrativo. As secretarias que mais pagam horas extras são as de Serviços Públicos, Saúde e Esporte.

No mês passado, a prefeitura também concluiu uma licitação para a aquisição de mais pontos eletrônicos, para controle dos horários de entrada e saída dos servidores. A principal dificuldade de fiscalização se dá em relação aos que executam trabalhos externos.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.