Justiça nega indenização a idosa que teve danos no telhado e ficou sem energia elétrica e telefone por vários dias após queda de árvore

Por: - 12 de janeiro de 2018
Registro de estragos provocados por temporal em Paiçandu no dia 3 de outubro de 2013. A imagem foi feita por Leandro Oliveira / blogleandrooliveira.blogspot.com.br

O juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá, Marcel Ferreira dos Santos, negou indenização por danos morais e materiais a uma mulher de 75 anos. Ela é moradora de Paiçandu e ingressou com a ação judicial contra a prefeitura da cidade depois de ter prejuízos com a queda de uma árvore.

Foram quatro dias sem energia elétrica e sete dias sem telefone. Ao cair, a árvore quebrou o poste do padrão de energia da casa. Além disso, houve danos em telhas e na pintura da residência.

De acordo com as alegações da moradora, a energia elétrica só foi religada após a contratação de um eletricista particular e conserto do poste.

Ela disse que gastou R$ 940 com o serviço. E teve mais R$ 500 de prejuízo com o pagamento da mão de obra e dos materiais para resolver o problema no telhado.

Na ação, a idosa também pediu R$ 5 mil em danos morais. Ela informou no processo que o vizinho havia feito a solicitação de remoção da árvore cerca de três meses antes do episódio, mas a prefeitura não resolveu o problema.

A queda da árvore aconteceu no dia 3 de outubro de 2013. Entre os argumentos de defesa do município, foi anexado um laudo meteorológico da Simepar.

“Com base nas informações do radar meteorológico, identificou-se que as células de tempestades atingiram também o município de Paiçandu no início da noite do dia 3 de outubro de 2013. Estima-se que as rajadas de vento em superfície tenham alcançado os 100 km/h na região do município”, informou o laudo.

Queda de árvore por força da natureza

Na decisão, o magistrado ponderou que “embora caiba ao município realizar a inspeção nas árvores públicas, remanesce claro nos autos que, à época em que ocorrera a queda da árvore, a região de Paiçandu experimentou forte temporal”.

O juiz também lembrou que a jurisprudência caminha no sentido de que “há um dever do poder público de verificar a situação de árvores localizadas em logradouros públicos e realizar o corte, poda ou supressão daquelas prestes a cair, especialmente quando há prévia comunicação do particular”, escreveu na sentença.

Mas no caso em análise, o magistrado considerou que não foi possível enquadrar a situação da idosa no quadro de queda de árvore decorrente de má conservação.

“Se a queda estava permeada por alteração climática, deve ser vista com cautela a alegação da parte autora no sentido de que o dano decorreu de omissão na retirada de árvore condenada”, observou o juiz.

Na conclusão, Santos ponderou que o caso dos autos não é de “simples queda de árvore por má conservação. Isto é, de árvore condenada cuja não retirada por parte do ente público municipal implica prejuízo ao particular”.

O magistrado também negou os danos morais pela demora na retirada da árvore de cima da casa. O temporal aconteceu na noite de uma quinta-feira, enquanto que a árvore só foi cortada no sábado. A justificativa do município é que foi registrada a queda de 80 árvores em Paiçandu no dia 3 de outubro de 2013.

Por fim, foi negada qualquer indenização à idosa. “Não restou configurada a falha no serviço prestado pela ré e o consequente dever de indenizar”, concluiu o juiz.

A idosa só não irá pagar pelas custas judiciais, porque foi beneficiada com a assistência judiciária gratuita. Ela poderá recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça do Paraná.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.