Carlos de Paula deixa de investir R$ 2,3 milhões na educação de Sarandi e TCE dá parecer contra aprovação das contas de 2014

Por: - 8 de novembro de 2017
Carlos Alberto de Paula, ex-prefeito de Sarandi: parte dos recursos do Fundeb não foi utilizado em 2014

Como se Sarandi não tivesse nenhum problema na educação infantil e no ensino fundamental, o ex-prefeito de Sarandi, Carlos de Paula Júnior (2013-2016), deixou de investir R$ 2.324.518,14 que estavam disponíveis no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2014.

Nesta quarta-feira (8), o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) divulgou parecer prévio pela irregularidade das contas de 2014 de Sarandi (Região Metropolitana de Maringá), sob responsabilidade do então prefeito De Paula.

A falta de utilização de 8,87% dos recursos do Fundeb naquele ano, os recursos aplicados pela prefeitura ficaram abaixo dos 95% dos repasses totais do Fundeb naquele ano, situação que contraria a Lei nº 11.494/2007, regulamentadora do fundo.

Outra impropriedade verificada na prestação de contas foi o atraso de 66 dias na entrega dos dados informatizados relativos ao encerramento do exercício de 2014 ao Sistema de Informações Municipais (SIM-AM) do Tribunal.

Segundo análise da Coordenadoria de Fiscalização Municipal (Cofim), a demora não causou danos ao erário, e o item pode ser convertido em ressalva. Foi comprovada também a falta de registro do passivo atuarial do município, no valor de R$ 1.178,824,07 nas contas do sistema contábil referentes a 2014.

Os recursos do Fundeb que deixaram de ser aplicados em Sarandi em 2014 somam R$ 2.324.518,14, contrariando o artigo 21 da Lei Federal nº 11.494/2007.

De Paula diz que usou o dinheiro para pagar professores

Em oportunidade de contraditório, o ex-prefeito justificou que, por problemas orçamentários, utilizou dos recursos do fundo para pagamento de parte da folha do Fundeb. Mas o gestor não comprovou a utilização de um saldo superior a 5% no primeiro trimestre do ano seguinte, por meio de créditos adicionais.

O relator do processo, conselheiro Nestor Baptista, concordou com o parecer da Cofim em relação à não aplicação de 8,87% dos recursos do Fundeb em 2014. O atraso de 66 dias na entrega dos dados informatizados ao SIM-AM foi considerado ressalva.

Os conselheiros acompanharam o voto do relator por unanimidade. A decisão foi tomada na sessão de 3 de outubro da Primeira Câmara do TCE-PR. Os prazos para recurso passaram a contar a partir do dia 23 de outubro, primeiro dia útil seguinte à publicação do acórdão de parecer prévio nº 499/2017 – Primeira Câmara, na edição nº 1.700 do Diário Eletrônico do TCE-PR.

Após o trânsito em julgado do processo, o parecer prévio do TCE-PR será encaminhado à Câmara de Sarandi. A legislação determina que cabe aos vereadores o julgamento das contas do chefe do Executivo municipal. Para desconsiderar a decisão do Tribunal expressa no parecer prévio são necessários dois terços dos votos dos parlamentares.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.