Ao vivo: Investigação contra Marchese é aprovada, sessão tensa e tumultuada continua na Câmara

Por: - 5 de outubro de 2017

Acompanhe acima a sessão que aprovou a abertura da Comissão Processante contra o vereador mais votado da história de Maringá, Homero Marchese.

Como foi protocolado no final da tarde desta quarta-feira (4/10), o pedido de abertura de uma Comissão Processante (CP) contra o vereador Homero Marchese (PV) tem que ser lido e votado na sessão ordinária da Câmara Municipal desta quinta-feira (5/10), conforme determina o regimento interno do Poder Legislativo.

Para que o CP seja aberta, são necessários os votos da maioria simples dos vereadores presentes ao plenário. Se rejeitado, o pedido de CP é arquivado de imediato. Se for aceito pelos vereadores, a Câmara Municipal abre a CP de imediato.

O regimento interno do Legislativo prevê que: “Decidido o recebimento, pelo voto da maioria dos presentes, na mesma sessão será constituída a Comissão Processante, com  três vereadores sorteados entre os desimpedidos, os quais elegerão, desde logo, o presidente e o relator”.

Posteriormente, após receber o processo, o presidente da Comissão Processante iniciará os trabalhos, dentro de até cinco dias, notificando o denunciado, no prazo de dois dias úteis, com a remessa de cópia da denúncia e documentos que a instruírem, para que, no prazo de 10 dez dias, o vereador apresente defesa prévia, por escrito, indique as provas que pretender produzir e arrole testemunhas.

Ainda de acordo com o regimento interno da Câmara, “após o prazo de defesa, a Comissão Processante decidirá, em até cinco dias, pelo prosseguimento ou arquivamento da denúncia, que, neste caso, será submetido ao plenário”.

Há outras regras que seguem para garantir a ampla defesa do denunciado que antecedem a sessão de julgamento, quando o parecer final será lido integralmente e os vereadores que desejarem, poderão se manifestar verbalmente por até quinze minutos. “Ao final, o denunciado, ou seu procurador, terá o prazo máximo de duas horas para produzir sua defesa oral”, determina o regimento.

Para cassar efetivamente o mandato de um vereador, são necessários dois terços dos votos. No caso da Câmara de Maringá, dez votos favoráveis à cassação.

Não há registro na história do Poder Legislativo de Maringá de cassação de um vereador pela Câmara Municipal.

Saiba mais sobre o pedido de abertura da CP, protocolado pelo Partido Verde, na reportagem do Maringá Post.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.