Prefeitura de Maringá pretende reduzir número de beneficiados com passe livre para estudante

Por: - 3 de outubro de 2017

Em março deste ano, houve a promulgação tácita de uma lei municipal que reduziu de 1,5 km para 1 km a distância mínima – entre a residência do aluno e a instituição de ensino onde estuda – para os estudantes terem direito ao passe livre de ônibus.

A nova regra fez crescer a demanda por passes livres: o número de estudantes credenciados em março, 20.389, saltou para 25.693 em agosto. E a quantidade de passagens também subiu de 428.223 para 478.974 no mesmo período.

Agora, o Executivo encaminhou projeto de lei ao Legislativo estabelecendo que a distância mínima volte a 1,5 km, segundo o traçado das vias públicas. A matéria estava na pauta da sessão da Câmara de Vereadores desta terça-feira (3).

Os vereadores, que no início do ano haviam aprovado o projeto de lei proposto pelo vereador Belino Bravin (PP), que estabeleceu a distância de 1 km, na terça-feira suspenderam a discussão da matéria por dez sessões consecutivas.

Nem sanção, nem veto: silêncio

Prefeito Ulisses Maia não se manifestou quando houve a redução de 1,5 km para 1 km a distância mínima entre a residência do estudante e a instituição de ensino / Ivan Amorin

Em março, o prefeito Ulisses Maia (PDT) não vetou nem sancionou o projeto de lei. Passados os quinze dias estabelecidos pelo prazo legal, o projeto de lei retornou ao Legislativo para promulgação tácita, o que foi feito pelo presidente da Casa, Mário Hossokawa (PP).

A redução para 1 km, estabelecida na lei número 10.387/2017, passou a vigorar no final de março e provocou um aumento no desembolso mensal da prefeitura, que subsidia 50% dos custos. De R$ 727,9 mil em março, passou a R$ 814,2 mil em agosto. Foram R$ 4,57 milhões em oito meses.

Vereador Belino Bravin, que apresentou o projeto de lei que fez crescer o número de estudantes beneficiados com o passe livre / Ivan Amorin

Prefeitura diz que lei atual é inócua

O chefe de Gabinete da prefeitura, Domingos Trevisan, disse que a redução promovida pela lei 10.387/2017 não surtiu o efeito desejado, que era beneficiar os estudantes que moram próximos ao Contorno Norte: “Devido aos poucos viadutos na via, eles precisam caminhar mais para chegar às escolas”.

Afirmou que “a lei é inócua, já que atendeu a pouquíssimos estudantes”. Observou que a distância sempre foi 1,5 km: “Simplesmente estamos, em comum acordo com os vereadores, voltando ao que era antes. Tivemos um aumento de despesa e não facilitamos a vida de quem realmente precisa”.

Acrescentou ainda, conforme diz o projeto de lei do Executivo em tramitação, que os casos excepcionais, em que o estudante necessite do transporte público em distância inferior aos 1,5 km, serão analisados pela secretaria de Mobilidade Urbana mediante requerimento.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.