Importância do ensino técnico para a formação e empregabilidade

No “Papo de Carreira” desta terça-feira (26), o professor, mestre em Engenharia de Produção e gestor educacional da TECPUC e Curitiba, Élcio Miguel, expôs a importância do ensino técnico para o mercado de trabalho. Clique AQUI para ver a live na íntegra.

Ele trabalha na área da educação há 27 anos, e afirma que no momento atual em que vivemos, por conta da pandemia e o “pós pandemia”, é preciso fazer uma reflexão profunda sobre a situação do ensino técnico.

“Não consigo ver o Brasil sem ensino técnico”, diz ele.

Mas o que é o ensino técnico?

Segundo o professor Élcio, é uma formação rápida, objetiva e focada em inserir o indivíduo no mercado de trabalho. Diversas áreas são abrangidas neste método, entre elas estão a gestão, segurança do trabalho, finanças e administração.

Ele ainda ressalta que, o ensino técnico não é somente para jovens que acabaram de completar a maioridade e querem se inserir no mercado de trabalho. Qualquer pessoa pode fazer um curso técnico, seja ela recém saída do ensino médio, buscando seu primeiro emprego, ou uma pessoa de meia idade que deseja ressignificar sua carreira e profissão, por exemplo.

E o professor ainda afirma que, mesmo que o aluno não siga a profissão que está cursando, ter a bagagem de conhecimento que o ensino técnico permite é um grande diferencial no currículo e no desenvolvimento pessoal. Ele explica que é necessário desmistificar a ideia de que o ensino técnico é superficial e o profissional formado por ele é inferior ao profissional que cursou uma graduação, por exemplo.

Para ele, é necessário continuar investindo tanto na propagação do ensino superior quanto do ensino técnico. Reconhecendo os benefícios de ambos e não deixar nenhum de lado.

Segundo ele, é preciso que o governo e a sociedade como um todo enxergue toda a contribuição que o ensino técnico propõe, e que, ele pode fortalecer e capacitar pessoas em momento de desemprego ou as empregadas porém subutilizadas. Ele afirma que, em médio prazo (de 2 a 3 anos), a ampliação de cursos técnicos asseguraria maior empregabilidade e renda.

Empregabilidade: mesmo que o indivíduo saia de um emprego, consegue se colocar em outro dentro do mercado.

“O ensino técnico e o superior não concorrem, eles se complementam”, diz Élcio.