Morre Desmond Tutu, arcebispo da África do Sul vencedor do Nobel da Paz

Desmond Tutu

Foi anunciada na madrugada deste domingo, 26, a moarte do arcebispo Desmond Tutu, ganhador do Prêmio Nobel da Paz e veterano da luta da África do Sul contra o apartheid. Tutu tinha 90 anos e morreu na Cidade do Cabo.

Por décadas, Tutu foi considerado a consciência da nação por negros e brancos, um testemunho duradouro de sua fé e espírito de reconciliação em uma nação dividida.

Como arcebispo, sempre lutou por uma África do Sul mais justa, Pregou contra a tirania da minoria branca mesmo após o fim do apartheid.

No cenário global, o ativista de direitos humanos argumentou sobre uma variedade de assuntos, desde a ocupação dos territórios palestinos por Israel aos direitos dos homossexuais, mudança climática e morte assistida — questões que consolidaram o amplo apelo de Tutu.

Questionado sobre se tinha algum arrependimento a respeito de sua aposentadoria como arcebispo da Cidade do Cabo, em 1996, Tutu disse: “A luta tendia a me tornar uma pessoa abrasiva. Espero que as pessoas me perdoem por quaisquer feridas que eu possa ter causado.”

 

A voz dos que não têm voz, diz o amigo Mandela

Falando e viajando incansavelmente ao longo da década de 1980, Tutu se tornou a face do movimento antiapartheid no exterior, enquanto muitos dos líderes do rebelde Congresso Nacional Africano (ANC), como Nelson Mandela, estavam atrás das grades.

Desmond Tutu
O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, 83, fala com o arcebispo Desmond Tutu em sua casa em Soweto nesta foto de arquivo de 22 de julho de 2001 Foto: REUTERS/Alf Khumalo

 

“Nossa terra está queimando e sangrando, por isso peço à comunidade internacional que aplique sanções punitivas contra este governo”, disse ele em 1986.

Mesmo quando os governos ignoraram o apelo, ele ajudou a despertar campanhas populares em todo o mundo que lutaram pelo fim do apartheid por meio de boicotes econômicos e culturais.

Em fevereiro de 1990, Tutu conduziu Nelson Mandela a uma varanda da Prefeitura da Cidade do Cabo, com vista para uma praça onde o talismã do ANC fez seu primeiro discurso público após 27 anos na prisão.

Ele também estava ao lado de Mandela quatro anos depois, quando tomou posse como o primeiro presidente negro do país.

“Às vezes estridente, muitas vezes terno, nunca com medo e raramente sem humor, a voz de Desmond Tutu sempre será a voz dos que não têm voz”, é como Mandela, que morreu em dezembro de 2013, descreveu seu amigo.

Enquanto Mandela apresentava a democracia à África do Sul, Tutu chefiava a Comissão de Verdade e Reconciliação que desnudava as terríveis verdades da guerra contra o governo branco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *