Mercado de estética cresce na internet durante a crise

Por: - 21 de junho de 2020
Imagem ilustrativa / https://www.pexels.com/pt-br/foto/alvorecer-amanhecer-aurora-pessoa-3059404/

O mercado de estética e beleza também passou por transformações por conta da pandemia de Covid-19. Mesmo que a compra e venda de produtos cosméticos já estivessem, de certa maneira, consolidadas na internet, a atuação dos profissionais da área ainda depende muito da presença física. Mas, como em quase todos os segmentos, ocorreram muitos processos de adaptação.

Como os consumidores estão tendendo a priorizar os produtos essenciais na hora das compras, as lojas virtuais de beleza e estética estão apostando em grandes promoções para atrair a clientela. Além disso, a comunicação de muitas lojas mudou: antes focada na beleza, hoje em dia a saúde prevalece. Marcas que investiram em campanhas de cuidados pessoais saíram na frente.

Já em março, primeiro mês da pandemia, o resultado foi sentido: aumento de 83% nas vendas do segmento de beleza e perfumaria, de acordo com pesquisa da ABComm, em parceria com a Compre&Confie. Os dermocosméticos,  utilizados no “skincare”, como é o caso do ácido hialurônico, estão entre os mais vendidos – o que mostra como o cuidado com a saúde está prevalecendo no setor.

Com uma maior compra de produtos, consequentemente, aumentou o número de pessoas que fazem os próprios processos estéticos em casa, forçadas pelo isolamento social. E foi aí que os profissionais do ramo conseguiram se destacar. Para manter os clientes pós-pandemia e ainda uma parte da renda, muitos trabalhadores da beleza e estética passaram a agir intensamente na internet.

Muitas oportunidades foram encontradas: oferecer cursos e tutoriais rápidos sobre os processos estéticos, recomendação personalizada de produtos e procedimentos, consultoria de beleza, entre outros. Muitos apostaram até na venda de produtos por conta própria, ou em um sistema de comissões. No setor da beleza, as indicações contam muito, vide o sucesso de lojas que vendem de porta em porta, fato que foi muito bem aproveitado nesta crise.

Para isso, os profissionais da beleza apostaram na criação de conteúdo nas redes sociais. Além de manter o público atento nas novidades, isto ainda reforçou os trabalhadores que souberam aproveitar. As grandes lojas também perceberam a tendência e entraram no processo, utilizando ainda mais os influenciadores digitais para alavancar as vendas dos produtos.

Outra forma encontrada pelos salões de belezas para fugir da crise foi a venda de vouchers com desconto, visando a utilização futura, quando os clientes se sentirem seguros. Neste processo, a internet também foi a maior aliada, com as redes sociais sendo os ambientes fundamentais de divulgação

Em Maringá, os salões já estão reabertos há quase dois meses, mas em locais onde isso ainda não aconteceu, o atendimento em domicílio também foi uma saída. Prática comum há algum tempo, voltou a ser impulsionada pela força das redes sociais e as necessidades geradas pela pandemia.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.