Você sabe quanto custa fazer faculdade em Maringá? E quantos salários serão necessários para repor os gastos? Confira os cálculos e as opiniões de especialistas

Por: - 21 de junho de 2018
No primeiro trimestre deste ano, 45% dos postos de trabalho criados em Maringá foram ocupados por quem tem ensino superior (Imagem/Empresa Brasil de Comunicação)

É comum ouvir em tom de conselho de pessoas mais velhas “estude para ser alguém na vida” e, ao mesmo tempo, um conhecido comentar que não fez faculdade e que ganha “mais do que muita gente por aí com diploma”. Será que existe um lado certo nesse paradoxo?

Sem a  pretensão de apontar um dos lados como sendo o mais vantajoso, o Maringá Post resolveu colocar uma pitada de pimenta no debate e mostrar quanto custa um diploma de curso superior nas faculdades da cidade e quanto tempo de trabalho na área seria necessário para repor o investimento.

Para fazer o cálculo, não foram considerados os custos com matrícula, livros, materiais, moradia, viagens e futuros reajustes nos preços das mensalidades. Foram usados apenas os preços das mensalidades de dez cursos superiores de algumas instituições particulares.

Os salários utilizados tiveram basicamente duas fontes, uma conforme fixado no edital do concurso público da Prefeitura de Maringá. As provas começam no próximo final de semana (24/6). E a outra junto às federações das respectivas categorias, que fixam o piso salarial, mas que nem sempre são cumpridos pelo mercado.

1 – Administração

O curso de Administração tem duração de quatro anos. Na Unicesumar a mensalidade é de R$ 799 e, para se formar, até o final do curso deve ser gasto R$ 38.352 com mensalidade. Na Faculdade Maringá, a mensalidade é de R$ 798 e o custo total de R$ 38.304.

Já na Pontifícia Universidade Católica o preço médio da mensalidade é de R$ 746,31 e  concluir a graduação sem reprovação fica em R$ 35.822,88. Na Uningá, a mensalidade  custa R$ 530 e os quatro anos custa R$ 25.440.

Para descobrir em quanto tempo esse investimento seria recuperado, a base de cálculo utilizada foi o salário inicial no concurso da Prefeitura de Maringá para o cargo de Auditor de Controle Interno, de R$ 4.415. A função exige o diploma em Administração. Nesse caso, o investimento de R$ 38.352 seria recuperado em nove meses.

2 – Agronomia

A graduação em Agronomia tem duração de cinco anos e na Unicesumar a mensalidade custa R$ 1.850. Para obter o diploma na instituição é necessário desembolsar R$ 111 mil. Na Uningá, as mensalidades variam entre R$ 1.040 e R$ 1.500. Considerando o preço médio de R$ 1.270, o diploma sairia por R$ 76.200.

O salário inicial para engenheiro agrônomo no concurso da Prefeitura de Maringá é de R$ 8.790,44. Se todo o salário fosse destinado a repor o investimento, o diploma de R$ 111 mil seria pago em 13 meses de trabalho.

3 – Arquitetura e Urbanismo

A mensalidade do curso de Arquitetura e Urbanismo na Unicesumar, com duração de cinco anos, é de R$ 1.850. Para concluir o curso, o custo seria de R$ 111 mil. Na Faculdade de Engenharias e Arquitetura (Feitep), a mensalidade varia de R$ 1.270, no período matutino a R$ 1.470, no noturno. O mínimo que será gasto para se formar é R$ 76.200.

Na Uningá, a mensalidade varia entre R$ 1.040 e R$ 1.500. Considerando a média de R$ 1.270, o diploma da graduação custaria em torno de R$ 76.200.

Segundo o Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas no Estado do Paraná, um profissional da área que trabalhe 8 horas por dia deve receber no mínimo R$ 8.109. Para pagar o diploma de R$ 111 mil seriam necessários um ano e dois meses de trabalho.

4 – Direito

O curso de Direito tem duração de cinco anos e a mensalidade na Unicesumar é de R$ 1.329. Assim o curso todo custaria R$ 79.740. Na PUC, a mensalidade média é de R$ 1.518,13 e o custo total R$ 91.087.

Na Faculdade Maringá a mensalidade varia entre R$ 1.224 e R$ 1.317. Na média de R$ 1.270, o diploma custaria R$ 76.200. Já na Uningá a mensalidade é R$ 1.200 e cinco anos ficariam em R$ 72 mil.

O piso da categoria no Estado, de acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), é de R$ 3.567,74. O diploma de R$ 79.740, por exemplo, seria pago com os salários de 23 meses.

5 – Engenharia Civil

A mensalidade do curso de Engenharia Civil, com duração de cinco anos na Unicesumar, custa R$ 1.850. Para concluir a graduação seriam gastos até R$ 111 mil. Na Feitep, a mensalidade vai de R$ 1.270, no período matutino, a R$ 1.470 no noturno. O curso todo,  à noite, custaria R$ 76.200.

A mensalidade na Uningá varia entre R$ 1.040 e R$ 1.050. Considerando a média de R$ 1.270, o diploma custaria R$ 76.200.

No concurso da Prefeitura de Maringá, o cargo de engenheiro civil tem salário inicial de R$ 8.790,44. Então, para repor os  R$ 111 mil, seriam necessários 13 meses de trabalho.

6 – Farmácia

O curso de farmácia tem duração de quatro anos e na Unicesumar a mensalidade é de R$ 1.270. Para concluir o curso, o estudante terá que desembolsar no mínimo R$ 60.960. Na Uningá, a mensalidade é de R$ 800 e o curso todo ficaria em R$ 38.400.

Para o cargo de farmacêutico, o salário inicial previsto no concurso da Prefeitura de Maringá é de R$ 4.542,10. Para repor o valor gasto com as mensalidades até a graduação, na Unicesuar, seriam necessários 14 meses de salários. E, na Uningá, bastariam 8 meses e 15 dias.

7 – Medicina

A mensalidade do curso de Medicina, que é em período integral, custa R$ 8.447 na Unicesumar. A duração é de seis anos. Para se formar, o desembolso seria de R$ 608.184.

Na Uningá a mensalidade é R$ 8.390,40 e para se formar, o estudante terá que desembolsar R$ 604.108. Nos cálculos não foram considerados gastos com residência médica e especializações.

Considerando o salário inicial de R$ 14.134,58, definido pela Federação Nacional dos Médicos, seria necessário três anos e oito meses de salários para recuperar o investimento feito com mensalidade na Unicesumar. E o médico formado na Uningá precisaria trabalhar três anos e meio.

8 – Odontologia

O curso de Odontologia, também em período integral e duração de quatro anos, tem mensalidade de R$ 2.560 na Unicesumar. Para se formar são necessários R$ 122.880. Na Uningá a mensalidade do curso integral é R$ 2 mil e do noturno 2,4 mil.

Os vencimentos de um odontólogo no concurso da Prefeitura de Maringá é de R$ 4.558,65. Para repor o investimento de R$ 122.880 na graduação, seriam necessários dois anos e três meses de salários.

9 – Engenharia de Software

A graduação em Engenharia de Software tem duração de quatro anos. Na Unicesumar a mensalidade é de R$ 1.270 e o custo final de R$ 60.960.

De acordo com o Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná, o piso de oito horas de trabalho da categoria é de R$ 8.586. O custo de um diploma, de R$ 60.960, seria pago em oito meses de trabalho.

10 – Psicologia

A mensalidade do curso de Psicologia, com duração de cinco anos na Unicesumar, custa R$ 1.376 e o custo total R$ 82.560. Na PUC a mensalidade média é de R$ 1.263,99 e para se formar o estudante deverá desembolsar até R$ 75.839.

A mensalidade do curso na Uningá varia entre R$ 800 e R$ 1,2 mil. Considerando valor médio de R$ 1 mil, até o final do curso seriam gastos em média R$ 60 mil com mensalidade.

Para o cargo de psicólogo, o salário no concurso da Prefeitura de Maringá é de R$ 4.542,10. Considerando que todo o salário seria destinado para repor o investimento de R$ 82.560, o diploma seria pago 19 meses de salários.

Especialistas dizem se vale a pena o investimento

Para o mestre em Ciências Sociais e coordenador do Curso de Recursos Humanos, Luciano Santana, o ensino superior se tornou “praticamente obrigatório” no mercado de trabalho atual. Porém, ele afirma que outros tipos de conhecimentos e habilidades são necessários para atender as expectativas do mercado.

“A pessoa que está fazendo uma graduação deve aproveitar o momento para fazer contato com o mercado de trabalho. É muito comum as pessoas investirem em graduação, pós-graduação e não conseguirem trabalho. A empregabilidade é uma junção de várias coisas”, explica.

De acordo com Santana, o diploma de ensino superior proporciona mais chances de um salário melhor no mercado de trabalho.“O mercado está muito seletivo, no sentido de ter muitas pessoas disponíveis. A empresa, na hora de contratar, acaba cobrando mais coisas para cargos menores. De acordo com pesquisas, quem tem ensino superior ganha no mínimo duas vezes ou mais ou, pelo menos, tem chances de mais oportunidades.”

O embate entre experiência adquirida sem formação e a graduação no ambiente acadêmico ainda continua no mercado de trabalho. Apesar disso, não existe lado certo nessa discussão.

“Ter só estudo não significa que você vai sempre melhor e ter mais oportunidades do que quem não tem. O fato é que as empresas tem buscado como um dos requisitos a formação formal, mas é claro que haverão atividades mais operacionais que o saber fazer é mais valorizado que a formação acadêmica”, diz Luciano Santana.

O diretor-executivo da Agência Brasileira de Emprego e Estágio (Abre) de Maringá, Fernando Linschoten, concorda que o diploma de ensino superior ligado à experiência na área são os principais requisitos das empresas no momento da contratação.

“Excluindo os cargos operacionais, todos os outros dão preferência ao candidato com curso superior”, afirma. Porém, diz que o diploma do curso superior não está ligado a um salário mais alto.

“Estamos em um mercado de retração, o salário não tem aumentado. De forma geral, hoje as vagas são oferecidas com um salário dentro de uma média e são aproveitadas pelos candidatos”, observa Linschoten.

As vagas na Abre de Maringá são voltadas para estudantes e recém-formados entre 16 e 30 anos. Para Fernando Linschoten, com o mercado altamente competitivo e as chances escassas, o nível de seletividade das empresas é bem maior e vai além do curso superior.

“Tem que ser uma pessoa pro-ativa, que atenda todas as funções empresariais. A empresa também tem que sentir que aquele candidato tem compromisso com a empresa e a vaga que está tentando.”

Levantamento do Conselho de Desenvolvimento Econômico (Codem), divulgado em abril, revela que dos 1.674 postos de trabalho criados em Maringá no primeiro trimestre deste ano, 45% foram ocupados por quem tem ensino superior.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.