Complexo com o Centro de Convenções Fashion Hall, hotel e pousada será inaugurado em março de 2018 em Maringá

24 de novembro de 2017

Um centro de convenções de 4,197 metros quadrados, chamado Fashion Hall, um hotel nível quatro estrelas com 126 apartamentos e uma pousada, que junto com o shopping atacadista Shopping Paraná Moda Park – já em funcionamento -, vão compor um complexo de mais de 40 mil metros quadrados que será inaugurado no dia 9 março de 2018 em Maringá.

O Centro de Convenções Fashion Hall pretende trazer shows, palestras, workshops e até grandes congressos nacionais e internacionais. Embora a inauguração do centro de convenções seja em março, já no dia 18 de janeiro receberá o primeiro evento: a formatura dos alunos de Odontologia da Unicesumar.

Localizado no quilômetro cinco da PR-317, a Rodovia da Moda, o centro de eventos do complexo tem capacidade de receber até 4 mil pessoas em pé. Além disso, conta com cinco auditórios, que variam de 40 m² a 240 m².

O gerente de projetos do Fashion Hall, Danilo Augusto Rodrigues, explica que o empreendimento está em fase final de construção e acabamento e pertence a um grupo de investidores do Grupo Fávaro, de Maringá, e de um outro grupo de São Paulo. O hotel deve ficar pronto em janeiro do próximo ano e será operado pelo Grupo Nobile.

Explicou que o Shopping Paraná Moda Park manterá a a mesma estrutura, permanecerá continua atacadista, mas mudou a administração quando passou de Pérola Park para Paraná Moda Park. “Atualmente está com 100% das lojas em funcionamento e com lista de espera”, diz Rodrigues.

Segundo ele, “a intenção é inserir Maringá no ciclo de eventos nacionais, receber shows, formaturas e congressos. Ter um espaço para multi-eventos”. Alguns desses eventos, diz,   serão nacionais, na área de medicina, “que até então Maringá não recebia por não ter estrutura”.

Rodrigues não quis revelar o montante investido no empreendimento, mas afirmou que “o o valor é alto e que a curto prazo é impossível de ter retorno”. Para ele, o espaço também é importante para outros setores da cidade, que devem ganhar com a chegada do empreendimento.

“O centro de eventos movimenta toda uma cadeia de comércios e restaurantes. Os turistas, tanto de negócios quanto de passeio, acabam gastando na cidade para alimentação e consumo”, afirma.

Além disso, observa, o empreendimento deve continuar movimentando a geração de empregos. Durante a obra foram criados 100 postos de trabalho diretos e 70 indiretos. Agora, para a operação do centro de eventos e do hotel, a estimativa é que sejam gerados mais de 70 empregos.

Para a inauguração já está sendo preparado um show nacional e outros eventos que o gerente não quis adiantar. “Estamos trabalhando ainda em cima do projeto e de fato a gente quer um grande evento para passar a ideia do porque estamos vindo”, diz.

Convention prevê impacto econômico

Um dos apoiadores do Fashion Hall é o Maringá e Região Convention & Vistitors Bureau,  entidade sem fins lucrativos que reúne empresas dos mais diversos segmentos do turismo. 

Para a superintendente executiva do Convention & Vistitors Bureau, Yara Linschoten, o Fashion Hall vem atender uma necessidade antiga da cidade.

“Nós estamos há algum tempo tendo dificuldade para receber congressos técnicos e científicos, por que temos que ter um espaço com grande auditório e espaço para cursos e mini-cursos. Hoje, se recebemos um congresso técnico a gente tem que adaptar todo o local”, comenta.

De acordo com Yara, o projeto vai facilitar as ações do Convention. “O trabalho é fomentar a ações na área de turismo de negócios, além de colocar Maringá como candidata para receber esses eventos”.

Para ela, o impacto econômico é outro fator que deve ser discutido. “Não adianta trazer o evento e não mensurar o impacto na cidade. A gente tem que medir o impacto econômico dos eventos na cidade”, diz Yara.

O Conventions tem no site uma ferramenta chamada “Eventômetro”, que atualiza constantemente os valores que Maringá está deixando de ganhar sem um centro de convenções desde o começo deste ano.

Até as 12h desta sexta-feira (24/11), a ferramenta já apontava um prejuízo de R$ 17,9 milhões para a cidade.

Segundo Yara, um dos grandes eventos da cidade é o vestibular da Universidade Estadual de Maringá (UEM), quando o Imposto Sobre Serviços (ISS) dos hotéis aumenta e consequentemente a arrecadação do município também aumenta.

Em julho e dezembro do ano passado, períodos do vestibular, o ISS, arrecadação específica da área de turismo na cidade, foram os maiores índices de 2016. Em julho, o ISS ficou em R$ 386,2 mil e em dezembro R$ 336,8 mil.

Para Yara, com o Fashion Hall, o número de eventos grandes ocorrendo na cidade deve aumentar, o que também impulsionará o imposto relacionado a área turística e, assim, o ISS não ficará concentrado somente em eventos como vestibular e ExpoIngá.