Tendências que devem se manter com o “novo normal”

Por: - 8 de julho de 2020
Home office é uma das atividades que fazem parte do "Novo Normal" / Divulgação

Ninguém esperava, mas 2020 trouxe mudanças significativas para a sociedade em várias áreas como relações sociais, cultura, psicologia, comportamentos, negócios e economia. Algumas, como o aumento no uso da tecnologia, já eram esperadas, mas acabaram sendo inseridas a curto prazo, gerando desconforto em muitos. Ainda não sabemos como será a sociedade no pós-pandemia. Mas há algumas tendências que têm fortes chances de permanecer com o “novo normal”:

A verdade é que todos tiveram, de uma hora para outra, que se adaptar a uma nova realidade que incluía o isolamento social e medidas restritivas, trabalho, estudos remotos e outros hábitos. A pandemia veio, e assim transformou o mundo que conhecíamos, trazendo novas perspectivas. 

1. Minimalismo, ou menos é mais

Ficar em casa fez com que muitos fizessem uma simples constatação: não precisam de muito para sobreviver, que roupas e objetos podiam ser simplificados, assim como o consumo de serviços. Veio a máxima de “menos é mais”, diminuindo as necessidades.

Tal característica, vista no estilo de vida minimalista, traz a ideia de que o consumo deve ser feito de maneira consciente, não cedendo aos apelos comerciais e ao mesmo tempo dando prioridade a produtos de qualidade. 

  1. Saúde mental em primeiro lugar

Imagem: Reprodução

Ficar em casa ou ter que lidar com o medo da contaminação fez com que as pessoas prestassem atenção a um fator muitas vezes negligenciado: a saúde mental. No momento em que aumentou os níveis de ansiedade, muitos passaram a buscar alternativas saudáveis para manter a calma. 

Para aliviar as tensões, hábitos relaxantes e aplicativos que ajudam a aumentar a qualidade de vida e bem estar passaram a ser mais procurados, assim como os cursos abertos. Outros também começaram a trazer a natureza para dentro de casa, plantando hortaliças ou cuidando de plantas. Muitos já perceberam o quanto é importante manter-se controlado em tempos de pressão e devem continuar praticando isto

3. Antes vista de soslaio por muitos, o home office se tornou única forma de trabalho para milhares de empresas. Vista com cautela por muitos empresários, tal maneira de trabalho vem se mostrando eficaz para boa parte das atividades.

A questão é que é uma modalidade possível de ser executada e também contribui para diminuir os níveis de poluição (menos carros nas ruas), aglomeração, tempo de deslocamento, energia elétrica e outros. Os empregados também têm visto esta modalidade com bastante atenção, e já é enorme a quantidade de pessoas que pretendem continuar seu trabalho de maneira remota.

  1. Diversões dentro de casa

Sem casas de shows, espetáculos, cinemas, bares e outros tipos de diversão presenciais disponíveis, muitos voltaram a atenção a atividades recreativas que pudessem ser feitas dentro de casa. E isso inclui experiências imersivas através de visitas a museus, lives de shows, esportes e palestras e outros tipos de espetáculo online. Também aumentou a busca por jogos.

O número de jogadores online já vinha crescendo ano após ano, mas durante o isolamento, a quantidade superou as expectativas. Um dos motivos foi a chegada de um grupo de maior idade: os adultos passaram a explorar as modalidades de jogos tradicionais, sendo o poker um dos mais populares. Este público não se contentou em jogar sem conhecer as estratégias, optando por aprender as regras do poker para obter mais sucesso em suas partidas.

  1. Delivery

As vendas pela internet explodiram durante o isolamento social. É possível comprar roupas, alimentação, remédios e outros itens diretamente dos sites ou em aplicativos para dispositivos móveis.

“Descobrindo” as facilidades de receber um produto em casa, o consumidor abraçou essa tendência com força, e passou também a pesquisar mais antes de comprar. Isso já era esperado há algum tempo, mas muitas lojas tiveram que se adaptar rapidamente para atender aos anseios do consumidor, que deve permanecer utilizando os serviços de estabelecimentos pelo delivery.

  1. Consumo de mídias digitais

O brasileiro passa em média 9 horas e 29 minutos por dia na internet. Esses são dados de uma pesquisa divulgada recentemente e que faz coro a esta tendência: o consumo de mídias digitais como jornais, revistas, Streamings e Redes sociais aumentaram e devem se manter nos próximos anos.

A conectividade também será mantida para reuniões de empresas e outras questões que possam ser resolvidas de maneira remota (com e-mails, mensagens de Whatsapp), um grande reflexo da atual situação.

  1. Educação à Distância

Assim como o home office, a EAD era vista com ressalva por muitos estudantes e educadores. Com a pandemia e a obrigatoriedade de realizar essas atividades online, as faculdades e escolas tiveram que se adaptar rapidamente. 

A pressa não foi boa para algumas turmas, principalmente para as crianças. Mas serviu para abrir os olhos para uma nova opção de estudos que conte com uma plataforma dedicada e professores capacitados para atender online. Algumas faculdades já oferecem esse tipo de especialização, mas deve aumentar a quantidade de cursos voltados a essa modalidade de ensino.

  1. Conforto dentro do lar

Permanecer tanto tempo dentro de casa fez com que as pessoas adquirissem novos hábitos e voltassem a outros já deixados para trás. Muita gente aproveitou para ressignificar os espaços e transformar sua casa em um verdadeiro lar, onde se sentem bem. 

Cozinhar já havia deixado de ser um prazer para se tornar uma obrigação. Com a quarentena, muita gente voltou a cozinhar e ter prazer em aprender novas receitas. Tal hábito saudável incluiu a busca por refeições leves e receitas saudáveis, e deve se manter por um bom tempo.

Como podemos perceber, alguns hábitos já eram esperados, outros retornaram e novos se criaram. Somente o tempo poderá nos dizer quais de fato permanecerão durante muito tempo. Por enquanto sabemos que o “novo normal” exige adaptações, que já estão sendo vistas na maior parte da sociedade.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.