Centenas de torcedores sofreram com o Brasil na manhã desta sexta na Vila Olímpica de Maringá. Grito de gol ficou preso na garganta por 90 minutos

Por: - 22 de junho de 2018

Centenas de estudantes e trabalhadores, liberados do serviço para acompanhar o jogo do Brasil contra a Costa Rica, aproveitaram a estrutura montada na Vila Olímpica e sofreram com a Seleção na manhã desta sexta-feira (22/6).

O time brasileiro dominou o jogo. Aos 25 minutos do primeiro tempo, Gabriel Jesus marcou e tirou o grito de gol da torcida. Mas a posição do atacante era irregular e o gol foi anulado.

A partir daí, o Brasil finalizava, mas não conseguia abrir o placar. A torcida se animava, levantava, gritava, mas o gol nunca chegava. Confira a reação mais comum da torcida durante a partida.

Gol mesmo, só aos 45 minutos do segundo tempo. Philippe Coutinho conseguiu mandar a bola para dentro da rede e abriu o placar. A torcida presente na Vila Olímpica, já desacreditada da vitória, foi a loucura.

Seis minutos depois, com 97 minutos de jogo, Neymar marcou o segundo gol, aliviando o sentimento dos torcedores que sofreram com a seleção.

O público de cerca de 500 pessoas, menor que no domingo (17/6), na estreia do Brasil na Copa 2018, aproveitou o telão e foi preparado. Muitos levaram cangas, tapetes e bancos próprios para assistir à partida.

Nesta sexta-feira, devido ao jogo em período matutino, não teve banda para animar o público, mas para quarta-feira (27/6), quando o jogo contra a Sérvia será realizado a partir das 15 horas, a Prefeitura de Maringá avalia a possibilidade de convidar alguma atração artística.

A expectativa da torcida é que o Brasil garanta mais uma vitória e o primeiro lugar do grupo. E de preferência, que os gols sejam marcados no começo do jogo. Vamos torcer para que tenha menos sofrência, por favor.

- Quer receber as notícias no seu WhatsApp? Clique aqui.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.