Filme com maringaense vítima de ‘pornô vingança’ estreia no maior e mais diverso evento criativo brasileiro, o Festival Path!, que vai para a sexta edição

Por: - 24 de abril de 2018

O documentário “Caiu na Rede”, dirigido pelo diretor Diego Pignataro, que tem a jornalista maringaense Rose Leonel como protagonista, estreia no 6º Festival Path!, que será realizado no bairro paulistano de Pinheiros, nos dias 19 e 20 de maio, um final de semana.

O filme mostra como o crime digital chamado ”pornô de vingança” afeta muitas mulheres no Brasil. No episódio, a repórter da Vice Brasil, Débora Lopes, acompanha Rose Leonel em sua luta pelo endurecimento da Lei Maria da Penha.

No festival, tudo acontece simultaneamente, em vários espaços do bairro de São Paulo. Só de filmes, serão 14, todos no Instituto Tomie Ohtake – Avenida Brigadeira Faria Lima. Serão sete curtas metragens por noite – o da Rose Leonel será no sábado.

A maringaense que teve fotos íntimas vazadas pelo ex-noivo também será uma das palestrantes do evento. Vai falar por uma hora, no mesmo instituto Othake, no domingo das 18h15 às 19h15.

Rose Leonel é formada em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Jornalismo pela Faculdade Maringá. Ela teve sua vida virada de cabeça para baixo quando terminou um relacionamento e seu ex compartilhou fotos íntimas suas nas redes sociais.

Rose Leonel (foto) perdeu o emprego, teve que mandar seu filho morar fora do país e quase foi linchada, diz o texto no site do evento ao apresentá-la. O episódio a incentivou a criar a ONG Marias da Internet, presidida por ela, que combate a chamada “pornografia de revanche” ou “pornô vingança”.

O Festival Path, conforme define o site, é “um evento de inovação e criatividade, que promove encontros inspiradores entre a comunidade criativa, transformando a forma sua de pensar, agir e de se relacionar com temas diversos”.

Tudo acontece por meio de múltiplos formatos, como palestras, shows, filmes, feiras gastronômica, de maker, de games e de startups, sessões literárias, yoga, festas, exposição de arte, workshops e outros conteúdos.

Palestras, com formatos e temas variados, serão 300. Há falas solo, painéis em grupo, bate-papos, debates, entrevistas e oficinas. Os workshops, com cerca de 4 horas de duração, vão oferecer aulas de caligrafaia, lambe-lambe, stencial, lettering e outros.

Serão 23 shows, de 1 hora, todos gratuitos. Entre os quais Tássia Holsbach, Luedji Luna, Dona Onete, Plutão Já Foi Planeta, Batekoo, Luiza Lian, Rubel, Gionani Cidreira, Coutto Oschestra, Gaymada, Caio Prado, Juliana Sinimbú, Castello Branco, Cuaê, Lucas Estrela, Qinho e outros alternativos.

Tudo acontece ao mesmo tempo e fora do automático, em diversos pontos de Pinheiros, incluindo o instituto Ohtake, Centro de Convenções, Fnac – Pinheiros, Escola Britânica de Artes Criativas, Teatro Cetip, Centro Cultural Aliança Brasil-Japão, Largo da Batata e outros, num circuito que pode ser feito todo a pé.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.