Escola Americana remove espelhos dos banheiros para impedir alunos de gravarem TikToks

espelhos em escola
Compartilhar

Por Vitor Germano

Uma escola no estado da Carolina do Norte, EUA, está tomando medidas drásticas para combater o vício de seus alunos pelo aplicativo TikTok.

A Escola Secundária Southern Alamance no município de Graham removeu todos os espelhos de banheiro para desencorajar alunos que buscavam popularidade na internet.

“Alunos iam para o banheiro por longos períodos de tempo pra filmar vídeos para o TikTok” disse o porta-voz do distrito escolar Les Atkins.

A administração observou que os espelhos figuravam nestes vídeos frequentemente.

O aplicativo, de origem chinesa, tem os mesmos incentivos de ‘rolagem infinita’ e concorrência por popularidade que são citadas por especialistas como contribuintes em vícios.

A administração da escola observou que os banheiros sem espelhos já tiveram efeito. “Menos visitas ao banheiro, visitas mais curtas, e estudantes são responsabilizados, e quando há responsabilidade você percebe a diferença”, disse Atkins ao jornal local WFMY.

A escola também implementou um sistema que permite cronometrar quanto tempo cada aluno individual passa fora da sala.

Alguns pais sugeriram uma alternativa no entanto: “Eu tenho uma ideia melhor, sem celulares na escola e você pode colocar os espelhos de volta” disse um pai.

SAÚDE MENTAL

O vício em redes sociais foi ligado ao aumento de depressão e ansiedade em adolescentes.

“Infelizmente, há incentivos estruturais e contextuais no TikTok que contribuem mais ao vício que qualquer atributo individual dos usuários,” disse um artigo do Jornal de Saúde Pública da Universidade Brown.

“Elementos funcionais do aplicativo e sua funcionalidade, como o padrão de recompensa variável da fila de conteúdo, e a interface simples que induz um ‘fluir’ com a capacidade de ‘rolagem infinita’ usam de técnicas de condicionamento psicológico para formar ciclos de hábito e gerar o uso viciado.”

O conteúdo na plataforma também levanta questionamentos. Semana passada, o TikTok baniu um adolescente do Iêmen, que havia se autodeclarado um “pirata sensual” e gravado um vídeo posando com um navio sequestrado no Mar Vermelho.

Foto: Getty Images


Compartilhar