Indústria paranaense cresce 2,9% em 2023, melhor resultado da região Sul

indústria Paraná
Compartilhar

A produção industrial paranaense cresceu 2,9% de janeiro a outubro deste ano, frente a igual período do ano passado, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta sexta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o único estado do Sul com saldo positivo: a indústria gaúcha recuou 4,5% e a catarinense, 2,1%.

Outras altas foram observadas no Rio Grande do Norte (13,6%), Espírito Santo (8,5%), Mato Grosso (5,2%), Pará (4,1%), Amazonas (3,9%), Goiás (3,8%), Rio de Janeiro (3,7%) e Minas Gerais (3,5%). A indústria nacional, no entanto, mostrou variação nula, com média de 0%.

Os principais motores dessa evolução foram a fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (23,3%), alimentos (8,6%), bebidas (3,2%) e móveis (3%). No caso dos alimentos, no qual o Estado já é um polo, com o setor cooperativista faturando mais de R$ 200 bilhões em 2023, foi o terceiro maior crescimento, atrás apenas de Rio Grande do Norte (16,8%) e Bahia (13,4%).

O resultado foi impulsionado também pelo crescimento da produção industrial de outubro, que evoluiu 1,6% em relação a setembro. Foi o maior crescimento da região Sul no período: a indústria gaúcha evoluiu 1,2% e a catarinense registrou um recuo de 0,6%. A variação nacional foi de 0,1% no mês.

De acordo com o IBGE, dez dos 15 locais pesquisados apontaram taxas positivas nesse intervalo. Além do Paraná e do Rio Grande do Sul, Pernambuco, Bahia, Região Nordeste, Goiás, Ceará, Minas Gerais, São Paulo e Pará registraram crescimento em outubro.

O Paraná ainda registrou o maior crescimento proporcional em relação a outubro de 2022, de 28,9%, seguido por Espírito Santo (16,9%) e Goiás (13%). Os setores expoentes dessa diferença foram coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (crescimento de 393%), produtos de madeira (27,1%), máquinas e aparelhos elétricos (12,4%), bebidas (11,9%), máquinas e equipamentos (8,5%), produtos de borracha e material plástico (5,6%) e alimentos (5,1%).

A variação dos últimos doze meses também está positiva, em 1,2%, o melhor resultado do Sul, já que as indústrias gaúcha (-4%) e catarinense (-2,6%) diminuíram a produção nesse intervalo.

O Estado ainda teve a melhor média do último trimestre encerrado em outubro, com evolução de 3%, seguido por Goiás (1,8%), Pará (1,5%), Rio de Janeiro (1,1%) e São Paulo (0,8%).

INDUSTRIALIZAÇÃO EM ALTA

As expectativas para os próximos meses e anos são altas no setor. Apenas nesta semana foram feitos três grandes anúncios de expansões ou instalações no Paraná.

Renault do Brasil vai investir mais R$ 2 bilhões para produzir um novo veículo no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O aporte vai viabilizar a produção de um C-SUV completamente novo sobre a Plataforma Modular do Grupo Renault, a mesma utilizada na linha de montagem do Kardian, veículo que será lançado para o mercado em março de 2024. O novo investimento faz parte do International Game Plan 2027 da empresa, projeto mundial da Renault que prevê fabricar oito novos modelos, incluindo três SUVs do segmento C, entre 2024 e 2027 para os mercados internacionais.

Outra ampliação será na fábrica da Tirol, em Ipiranga, nos Campos Gerais. A empresa vai investir R$ 40 milhões para ampliar a capacidade produtiva de 600 mil para 800 mil litros de leite por dia. A unidade também será capacitada para fabricar creme de leite.

E a multinacional japonesa Nissin Foods anunciou uma nova planta em Ponta Grossa, nos Campos Gerais. Será a terceira unidade da fabricante líder de macarrão instantâneo no Brasil, com investimento de R$ 1 bilhão. A marca tem uma unidade no estado de São Paulo e outra em Pernambuco.

AEN

Foto: José Fernando Ogura/AEN


Compartilhar