Um em cada 5 alunos estuda em escolas com falta de professores, revela Pisa

escolas públicas no Brasil
Compartilhar

Um em cada cinco alunos brasileiros está sendo educado em escolas que enfrentam uma grave escassez de professores, com um impacto particularmente negativo no ensino de matemática, revela o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2022. Este cenário representa um desafio crescente para o sistema educacional do país.

O relatório do Pisa, que avaliou cerca de 690 mil estudantes de 15 anos em 81 países e regiões, incluindo 10.798 alunos brasileiros de 599 escolas, aponta que 22,3% dos estudantes no Brasil estão em instituições onde a falta de docentes afeta as atividades acadêmicas. Notavelmente, 11,7% dos alunos sofreram com aulas ministradas por professores não qualificados na disciplina lecionada.

Comparativamente, em 2018, estas situações afetavam 17,6% e 11,3% dos estudantes, respectivamente. O relatório destaca um aumento global na carência de professores qualificados, com 46,7% dos estudantes em países membros da OCDE sendo impactados pela falta de docentes, um salto significativo em relação aos 26,1% em 2018.

A análise do Pisa revela uma correlação direta entre a escassez de professores e o declínio no desempenho em matemática. Globalmente, houve uma queda acentuada na pontuação média nesta disciplina, de 487 para 472 pontos na OCDE, equivalendo a uma perda de meio ano de aprendizado escolar.

No Brasil, historicamente desafiado na área de matemática, a média em 2022 foi de 379 pontos, uma leve queda em relação aos 384 pontos de 2018. Este declínio é preocupante, dada a já baixa pontuação do país na disciplina nas últimas duas décadas.

Um fator crítico por trás desse fenômeno é a dificuldade do Brasil em formar professores para disciplinas de exatas. Dados do Inep indicam que 70% dos estudantes em licenciaturas nessas áreas abandonam o curso, com apenas 30% concluindo a licenciatura em matemática. Essa baixa taxa de conclusão é atribuída a dificuldades acadêmicas herdadas da educação básica e à falta de atratividade da carreira docente.

A escassez de professores já é uma realidade em muitas regiões do país, inclusive em São Paulo, o estado mais rico do Brasil. Estudos projetam um déficit de 240 mil professores até 2040, com as exatas sendo as mais afetadas.

Dados Relevantes:

22,3% dos alunos brasileiros em escolas com falta de professores.
11,7% dos alunos têm aulas com professores não qualificados na disciplina.
Aumento do déficit de professores entre 2018 e 2022.
Queda na pontuação média em matemática globalmente e no Brasil.
70% de abandono em licenciaturas de exatas no Brasil; apenas 30% concluem a graduação.
Projeção de déficit de 240 mil professores no Brasil até 2040.

Foto: Sumaia Vilela / Agência Brasil


Compartilhar