Cirurgiões de Nova York realizam o primeiro transplante de olho inteiro do mundo

Compartilhar

Foto: JOE CAROTTA / NYU LANGONE STAFF

Um homem que perdeu o olho esquerdo em um acidente elétrico se tornou o primeiro receptor de um transplante de olho inteiro em um ser humano. A cirurgia foi realizada em Nova York, durante um transplante de face parcial, por uma equipe de médicos da NYU Langone Health.

O paciente, Aaron James, de 46 anos, é um veterano militar do Arkansas que teve o lado esquerdo do rosto, o nariz e a boca destruídos pelo acidente. Ele recebeu o olho doado como parte do transplante facial, que visava melhorar sua aparência e sua qualidade de vida.

O transplante de olho inteiro é um feito histórico na medicina oftalmológica, pois até então só era possível transplantar a córnea, a parte transparente do olho. O olho enxertado de James mostrou sinais de saúde nos seis meses após a cirurgia, com vasos sanguíneos e retina funcionando bem.

“O simples fato de termos transplantado um olho é um grande avanço, algo que foi pensado durante séculos, mas nunca foi realizado”, disse Eduardo Rodriguez, o líder da equipe cirúrgica.

No entanto, o olho transplantado ainda não se conecta com o cérebro através do nervo óptico, o que significa que James não recuperou a visão do olho esquerdo. Ele disse que aceitou participar do experimento para ajudar a ciência e as futuras gerações.

“Eu disse a eles: ‘mesmo que eu não consiga ver… talvez pelo menos todos vocês possam aprender algo para ajudar a próxima pessoa’. É assim que você começa. Espero que isso abra um novo caminho”, disse.

Os médicos não descartam a possibilidade de James voltar a ver com o olho transplantado no futuro, com o auxílio de outras tecnologias que estão sendo desenvolvidas, como elétrodos que estimulam o cérebro a receber imagens do olho.

“Não creio que alguém possa afirmar que verá. Mas, da mesma forma, eles não podem alegar que ele não verá”, disse Rodriguez. “Neste ponto, acho que estamos muito felizes com o resultado que conseguimos alcançar com uma operação muito exigente tecnicamente.”

TOPO Fonte: Reuters


Compartilhar