Após 27 meses, oferta de voos no País supera pré-pandemia, diz Anac

Os principais indicadores do transporte aéreo no mercado doméstico – ASK (demanda) e RPK (oferta) – atingiram níveis próximos ao apurado no período pré-pandemia, aponta relatório de demanda e oferta da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) publicado na última sexta-feira. Em maio deste ano, a oferta registrou uma alta de 6% quando comparada a igual intervalo de 2019.

Segundo a autarquia, essa foi a primeira vez que um dos itens do relatório apresenta crescimento em relação ao período anterior à crise sanitária. Já a demanda fechou o mês de maio com uma queda de 2,5% em relação ao período pré-pandemia.

Na comparação com o mesmo intervalo de 2021, os dois indicadores tiveram alta de 87,6% e de 71,5%, respectivamente.

O número de passageiros transportados no mercado doméstico em maio (6,4 milhões) ficou 10% inferior ao de 2019. Frente aos dados apurados no mesmo intervalo do ano passado, houve crescimento de 75,8%.

O transporte de carga fechou maio com queda de 6,1% em relação ao mesmo intervalo de 2019, com pouco mais de 36 mil toneladas despachadas no mercado doméstico. Na comparação anual, houve avanço de 16%.

A Latam liderou o mercado doméstico no mês, com 33,7% do total, seguida de muito perto pela Azul (33,3%) e pela Gol (32,6%). O nível de ocupação de assentos do mercado registrou uma retração de 8%, na comparação com 2019, e de 8,6% ante 2021.

Mercado Internacional

Em maio, o transporte de carga no mercado internacional somou 88 mil toneladas, o maior resultado para o mês em 22 anos (início da série histórica). Na comparação com igual período de 2019 e 2021, o indicador apresentou alta de 24,7% e de 1,8%, respectivamente.

Mais de 1,2 milhão de pessoas viajaram para destinos internacionais em maio, a maior movimentação de passageiros desde fevereiro de 2020, relata a Anac. Em relação a 2019, porém, houve redução de 36,5%. 

Estadão Conteúdo