Paraná recebe pesquisadores do Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianos

Até o final de junho, três cientistas ucranianos deverão chegar ao Estado para continuar seus estudos e compartilhar conhecimento com os paranaenses.

A iniciativa é do Programa de Acolhida a Cientistas Ucranianos, anunciado em março pelo Governo do Paraná, por meio da Fundação Araucária e Superintendência Geral da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O foco desta iniciativa é a acolhida e integração dos cientistas na comunidade paranaense. Dois irão para a Universidade Estadual de Londrina e um para a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Medianeira.

“O objetivo principal desta iniciativa é humanitário. Nós temos condições de aprender com eles e eles de aprender conosco. Então é uma forma de promover a internacionalização da ciência por meio da parceria de pesquisadores”, ressaltou o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig.

O programa possui até o momento 15 inscrições de pesquisadores que já tiveram seus planos de trabalho aprovados. Ele é de fluxo contínuo e tem como prioridade apoiar financeiramente as Instituições Científicas e Tecnológicas e de Inovação (ICTs) paranaenses na acolhida de pesquisadores ucranianos para atuar na Pós-graduação Stricto Sensu.

Svitlana Gerasimenko é uma das cientistas que chegará ao Brasil até o final de junho e será acolhida pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, em Medianeira. Ela é doutora em Astrofísica e mora em Kiev (capital da Ucrânia) com o marido e dois filhos.

“É uma grande oportunidade para mim e para minha família. A situação está muito ruim na Ucrânia. Agradeço muito esta chance de recomeço que o Paraná está nos proporcionando”, disse.

Além dos pesquisadores que chegarão ao Paraná, existe uma quarta cientista chamada Mariia Boiko, doutora em Biotecnologia, que foi a primeira cientista a ser acolhida por uma instituição, a Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Ela mora há um ano e meio no Brasil com o marido e uma filha e não conseguiu voltar para a Ucrânia devido à guerra. Com isso, também não tinha mais como se manter no País, então resolveu fazer a inscrição no Programa.

“Nenhum lugar na Ucrânia é seguro neste momento. Sou muito grata às instituições brasileiras que me acolheram, pois realmente eu e minha família estamos precisando dessa ajuda”, destacou Mariia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.