“Não existe dor de cabeça normal”, afirma neurologista

Neste Dia Nacional de Combate às Dores de Cabeça, nosso editor-chefe Ronaldo Nezo entrevistou a neurologista Aline Vitali da Silva, para o quadro “Papo de Especialista” desta quinta-feira (19). Clique AQUI para acessar a entrevista na íntegra.

A médica é membro da Sociedade Brasileira de Cefaléia e professora da PUC e da Universidade Estadual de Londrina.

Doutora Aline explicou que a enxaqueca acomete 15% da população mundial, e a maioria das pessoas que sofre com a doença são mulheres, por conta de questões hormonais.

Dores de cabeça também são sintomas comuns em infecctados e recuperados de Covid-19.

“No pós-covid, pode acontecer de ter pessoas que passaram a ter uma dor que não tinham, e pessoas com enxaqueca que pioraram no padrão de dor depois da Covid. A maioria das pessoas vai ter alguma dor na fase aguda da Covid, e depois voltar no padrão habitual de não ter dor, de ter dor rara, ou se já tinha bastante dor, continua tendo no mesmo padrão”, afirma a doutora Aline.

Enxaqueca x Dor de cabeça

A neurologista ressalta que dor de cabeça, também chamada de cefaléia, é um sintoma. Já a  exaqueca é uma doença que predispõe crises de dor de cabeça, com características específicas.

Mas como saber se você sofre de enxaqueca? A doutora explica que o diagnóstico é clinico, ou seja, as características da dor é que são avaliadas, não é necessário fazer exame.

A dor da enxaqueca costuma ser forte, unilateral (apenas de um lado da cabeça), pulsante e que de alguma forma, incapacita e atrapalha a realização de atividades rotineiras. O paciente também pode sofrer de fonofobia, fotofobia – quando o barulho e a claridade do ambiente agravam a dor, náusea e/ou vômito.

“É importante ressaltar que não existe dor de cabeça normal, o normal é não ter dor”, diz Vitali.

A campanha “3 é Demais” foi lançada pela Sociedade Brasileira de Cefaleia, para conscientizar as pessoas que, quando se tem dor de cabeça por mais de três dias ao mês, em um período de mais de três meses, é importante buscar um especialista.

Tratamento

A enxaqueca não tem cura, mas possui tratamentos. A maioria das pessoas não necessita de remédios, no entanto devem manter um estilo de vida saudável, dormindo e se alimentando bem, controlando o estresse e fazendo atividades físicas.

Porém, manter essa rotina saudável não funciona para todo mundo, e então os medicamentos são indicados.

Toxina botulínica, medicamentos injetáveis específicos para enxaqueca, remédios convencionais que tratam dores mas não são específicos para a enxaqueca, são algumas das opções disponíveis para o tratamento.

Entre alguns pontos, evitar o exagero de cafeína é indicado pela doutora Aline, pois o excesso de cafeína pode engatilhar algumas pessoas a terem enxaqueca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.