Sexta-feira 13: O que a data representa?

Hoje é sexta-feira 13: uma data cheia de superstições e conotações negativas. Principalmente no ocidente, é muito comum que esse dia seja associado ao terror, azar e misticismo.

A origem de porque a sexta-feira 13 tem essa fama, no entanto, é desconhecida, com muitas especulações de como isso começou. Diferentes religiões, mitos e crenças têm a sua própria interpretação dessa história. Vamos conhecer algumas:

Cristianismo

Segundo o Cristianismo, a explicação para o suposto azar na sexta-feira 13 tem a ver com a crucificação de Jesus Cristo. Na celebração de sua última ceia, Jesus se reuniu com seus 12 discípulos – ou seja, haviam 13 pessoas no total. O azar do número 13 se refere ao fato de que um desses discípulos, Judas, acabou traindo Jesus, o que levou à morte dele no dia seguinte: numa sexta-feira.

Na tradição cristã, o livro do Apocalipse também se refere ao número 13 como a marca da besta, do anticristo – o que também se junta ao fato de Jesus Cristo ter morrido numa sexta-feira.

Mitologia Nórdica

Uma história de origem nórdica afirma que o Odin, rei da sabedoria e possuidor do conhecimento de todas as magias, teria feito um banquete e convidou outras doze divindades. Loki, que é o deus da discórdia e do fogo, não teria sido convidado para reunião.

Quando ficou sabendo do banquete, Loki teria armado uma confusão que resultou na morte de um dos convidados. Na reunião 13 pessoas estariam presentes.

Com isso, teria surgido a superstição de que um encontro de 13 pessoas sempre acaba em desastre.

Outra hipótese dentro da mitologia nórdica é que a data se refira à deusa da da fertilidade, Frigga. A sexta-feira 13 era um dia dedicado ao culto da deusa, mas, com a expansão do cristianismo, a Igreja Católica teria demonizado a imagem de Frigga, com o intuito de converter os povos nórdicos. Com isso, Frigga passou a ser vista como uma bruxa e, segundo a lenda, ela se reunia com outras onze bruxas e com o próprio demônio (mais uma vez, treze pessoas) para rogar pragas contra a humanidade.

História

Há um momento histórico que também pode ter influenciado o conceito da sexta-feira 13 como um dia de azar.

Na monarquia francesa, século 14, o rei Felipe IV sentia que seu poder era ameaçado pela Igreja, e então ordenou a perseguição da ordem dos Cavaleiros Templários, um exército de monges criado para proteger os peregrinos.

Em 13 de outubro de 1307, uma sexta-feira, o rei decretou que os membros fossem torturados e presos, resultando em uma série de mortes. Desde então, a data foi considerada um dia amaldiçoado.

Superstições comuns

O Brasil é uma terra com uma mistura de povos e crenças, por isso, há inúmeras superstições de várias culturas diferentes. 

Na sexta-feira 13, algumas pessoas mais supersticiosas podem fazer coisas como:

  • Evitar cruzar com gato preto;
  • Não passar debaixo de escadas;
  • Não deixar o chinelo virado para baixo;
  • Ter cuidado para não quebrar espelhos;
  • Bater três vezes na madeira, com a intenção de “espantar” o azar.

Não se pode provar se é verdade ou não, mas muitas pessoas preferem não arriscar. E você? Tem alguma superstição?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.