Medicamento para tratar Atrofia Muscular Espinhal é incluído ao SUS

O medicamento risdiplam, para tratamento de Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 1, está incorporado a partir desta segunda-feira (14) ao Sistema Único de Saúde (SUS).

A portaria da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde, determinando a inclusão do medicamento, está publicada no Diário Oficial da União de hoje.

Sobre a Atrofia Muscular Espinhal

A atrofia muscular espinhal (AME) é uma doença genética rara, progressiva, que afeta a capacidade do corpo de produzir uma proteína considerada essencial para a sobrevivência dos neurônios motores. Esses neurônicos morrem com a falta da proteína e, assim, o indivíduo vai, pouco a pouco, perdendo controle e forças musculares, ficando incapacitado de se mover, caminhar, comer e, em última instância, respirar.

O quadro é degenerativo e, até o momento, não tem cura, mas pode ser tratado com uso de remédios, alimentação especial e fisioterapia.

A AME possui quatro subtipos, distintos conforme a idade de início dos sintomas. Varia do tipo 0 (antes do nascimento) ao 4 (segunda ou terceira década de vida), dependendo do grau de comprometimento dos músculos e da idade em que surgem os primeiros sintomas.

O tipo 1 é o mais grave da doença. A sua incidência é de um caso para cada seis a 11 mil nascidos vivos.

Dados divulgados pela Agência Brasil e pelo Ministério da Saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.