Região terá o maior núcleo de genética suína da América do Sul

A suinocultura já teve grande peso na economia do noroeste do Paraná, mas quase desapareceu nos últimos anos, podendo recuperar sua importância com a implantação do núcleo de genética suína

4 de agosto de 2021
genética suína
O governador e o secretário da Agricultura conheceram o local em que o núcleo será implantado

Com capacidade para produzir até 110 mil animais por ano, em uma área 70 mil metros quadrados, o novo núcleo genético e da unidade de disseminação de genes da empresa Agroceres Pic, deve entrar em operação em alguns meses. As obras, entre Paranavaí e Santo Antônio do Caiuá, foram visitadas nesta terça-feira, 3, pelo governador Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD), em sua visita a municípios do noroeste paranaense.

A multinacional é líder no segmento e, com a ação, promete inaugurar uma nova era no trabalho de melhoramento genético de suínos no Brasil.

A unidade de produção paranaense começou a ser erguida em abril e será a maior da América do Sul, com 70 mil metros quadrados de área construída, capacidade para alojar 3.600 fêmeas de elite e uma produção estimada em até 110 mil animais por ano.

A previsão é que a sede comece a entrar em operação no primeiro semestre de 2022. O investimento supera R$ 100 milhões, com a criação de 400 empregos diretos na fase de construção. Quanto estiver em funcionamento, a empresa estima gerar 300 postos de trabalho entre diretos e indiretos.

O Paraná é o segundo maior produtor de suínos, atrás apenas de Santa Catarina. O governador afirmou que o Estado pretende ser o líder nesse quesito. O segmento apresentou um aumento de 10,6% no primeiro trimestre deste ano. A projeção para 2021 é de alcançar 950 mil toneladas, sendo que em 2020 foram 936 mil.

O secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, lembrou que o Paraná abate atualmente cerca de 10 milhões de cabeças de suínos por ano. O núcleo genético e a unidade de disseminação de Paranavaí estão instalados em uma área de aproximadamente 600 hectares. Destes, 10 são usados para a construção das unidades e o restante destinados à Área de Proteção Permanente, com vistas ao fortalecimento da biossegurança da área.

A empresa já iniciou o processo de plantio de 200 hectares de eucalipto. O gerente de produção da Agroceres Pic, Nevton Hector Brun, contou que a região foi escolhida pela estrutura. O novo núcleo genético tem projeção para estar em pleno funcionamento no primeiro trimestre de 2023. Em paralelo, e para dar suporte às duas novas unidades de produção, a empresa constroi também uma fábrica de ração com capacidade de 35 mil toneladas por ano.

O prefeito de Paranavaí, Carlos Henrique Rossato Gomes, o Delegado KIQ, contou que a cidade já começou a ser procurada por representantes de frigoríficos que pretendem montar base em Paranavaí.

A nova unidade de produção de genética suína terá alta tecnologia embarcada. Os ambientes dos galpões serão 100% climatizados, com controle de temperatura e ventilação em tempo real. Para reforçar a biossegurança, todos os processos têm fluxo único, com isolamento dos colaboradores por setor. Dessa forma, não acontece contato entre os profissionais que trabalham nas diferentes áreas.