Caso da falsa enfermeira presa com doses de vacina vai para o MP nesta quarta

Por: - 26 de maio de 2021
Dose de vacina
A falsa enfermeira revelou ter visto vacinação de pessoas que não eram dos grupos prioritárias

O delegado chefe da 17ª. Subdivisão Policial de Apuracana, Marcus Felipe da Rocha, concede entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, 19, para apresentar as conclusões finais sobre o caso da falsa enfermeira presa em flagrante com doses de vacina contra o coronavírus.

Após conversar com a imprensa, o delegado deve encaminhar o inquérito ao Ministério Público.

Desde a prisão da falsa enfermeira, a polícia de Apucarana ouviu 18 pessoas e as gravações dos depoimentos já foram encaminhadas para a promotora Fernanda Trevisan.

A mulher foi presa com doses de vacinas AstraZenica e CoronaVac, seringas e até carteiras de vacinação. Ela confessou que pretendia vender as doses a pessoas que não estão nos grupos prioritários do cronograma de vacinação.

As doses haviam sido furtadas quando a falsa enfermeira trabalhou como voluntária em um ponto de vacinação em Apucarana. Ele teria dito ao delegado ter conhecimento de pelo menos 20 pessoas terem furado a fila da vacinação na cidade.

Na semana passada a suspeita foi ouvida por uma comissão da Assembleia Legislativa do Paraná que investiga os casos de fura-fila em diferentes cidades paranaenses.

Ela disse aos deputados Fernando Francischini e José Aparecido Jacovós, um deles delegado da Polícia Federal e o outro delegado da Polícia Civil, que quando prestou serviço voluntário era comum aplicar vacina em pessoas que não eram dos grupos prioritários.

Essa informação levou os deputados, assim como o delegado de Apucarana, a achar que o local de vacinação vinha servindo para maracutaias.

Por conta dessas informações, o servidor que era o responsável pelo local de vacinação foi ouvido pelo delegado e afastado do cargo.

- Quer receber as notícias no seu WhatsApp? Clique aqui.

Tem uma dica de notícia? Fez alguma foto legal? Registrou um flagrante em vídeo? Compartilhe com o Maringá Post, fale direto com o whats do nosso editor-chefe.