Reinvente Sua Vida

Leia atentamente o texto abaixo:

Reinvente Sua Vida

Charles Bukowski (Poeta Alemão)

Se invente
E depois reinvente-se
Não nade no mesmo poço.
Se invente
E depois reinvente-se
E fique longe das garras da mediocridade
Se invente
Depois reinvente-se
Mude seu formato com tanta frequência, que eles nunca poderão te categorizar
Revigore-se e aceite o que é
Mas apenas nos termos que você inventou e reinventou
Seja autodidata e reinvente sua vida porque você precisa
É A SUA VIDA
É A SUA HISTÓRIA E O SEU PRESENTE 
PERTENCEM APENAS A VOCÊ.

A profundidade desse poema é imensa e talvez não notada em somente uma leitura. Bukowski aborda diversas facetas da vida e do ser humano em poucas palavras e linhas. A inteção acredito que foi a de sacudir a cabeça, costumes, ideias, estilos e formatos fixos de uma existência calculada e forjada na rotina. A seguir algumas reflexões desse poema:

Reinvente-se”: significa tomar novo formato, novas ideias, novos horizontes, tornar a inventar. Busca-se com esse termo o despertamento para o novo, contraditório, misterioso e diferenciado. As invençoes necessitam de reinvençoes e assim vai gerando um ciclo sem fim e de descobertas primordiais para a vida humana.

Não nade no mesmo poço”: Nadar em um poço? Como assim?. Nadar é sinônimo de liberdade, força, aventura e desafio. Vivemos “nadando” nas memas ideias, costumes, rotinas, músicas, comidas, leituras e fazendo as mesmas coisas com resultados iguais ao longo do tempo. Sair da rota costumeira e da coisa “massante” é a ideia central. Deixar a vida mecanizada e banal de lado e viver outras experiências que agregarão inteligência, reflexoes e experiências diferenciadas.

Fique longe das garras da mediocridade”: a mediocridade é um problema crônico da sociedade atual. O formato de vida e conformiso gera um exército de medíocres. Infelizmente a mediocridade é ruim e nociva, mas para certos grupos e pessoas que se aproveitam dela torna-se benéfica e vantajosa. Medíocre são aqueles que se contentam com a média, usam as mesmas desculpas, permanecem nos mesmos lugares, fazem as mesmas coisas, olham para as mesmas coisas, deixam tudo para depois, adoram políticos e partidos, aceitam a imponência de pessoas repugnantes, entre tantas outras. O conceito é muito amplo e complexo, mas de maneira geral a figura do mediano alicerça o caos da educação, formaçao intelectual, costumes, cultura e desigualdade de renda, ideias e valores. A política e a mídia às avessas são exemplos claros que se alimentam da mediocridade no meio das massas. A falta de senso crítico e olhares de diversos ângulos promove o sucesso de figuras públicas que sabem realmente “jogar as cartas” e captar resultados estrondosos nesse “mar” navegável e de proporções imensas.

As garras despertam para a reflexão de perigo, prisão, arranhões, feridas e até mesmo a morte. Ficar preso as garras da mediocridade é sofrer e padecer espontaneamente. Fuja! Fuja rápido das garras dessa monstro!.

Eles nunca poderão te categorizar”: a mudança de ações, formatos, atitudes, pensamentos, visões e conexões com o mundo geram a diferenciação do ser. Quanto uma pessoa passa a não poder ser enquadrada e categorizada em diversos âmbitos, talvez esteja em uma dimensão e nível muito maior do que o comum. É importante observar e escolher as coisas que podem ser alteradas e arriscadas em nosso redor, gerando assim uma amplitude e diversificação constante de relações e fatores que enriquecem a vida espiritual, material, intelctual e a essência do ser como um todo.

Revigore-se”: ou seja, adquira novo vigor, novas forças, ânimo, estabilidade e energia. A vida atual exige muito do ser humano e isso passa a ser essencial e válido para todas as áreas de nossa breve existência. Tornar a fazer, refazer, gerar, experimentar e observar coloca em nós a visão profunda e descentralizada de quão imenso é o mundo e suas facetas e quão pequenos somos diante dele. O ciclo vital exige em sua composição magnífica o termo “revigorar”. Revigore-se.

Seja autodidata”: seja aquele que aprende sozinho. Nem sempre temos auxílio de mestres, orientadores, professores, referências e “gurus” para decifrarem os enigmas e questões vividas individualmente. O aprendizado, análise e as leituras de mundo feitas constantemente pressionam o desenvolvimento da qualidade notável de autodidata. Um autodidata por certo tenha percepção aguçada e sensibilidade diferenciada para lidar com o mundo dinâmico e veloz do agora.

Mensagem final: “As pessoas seguem a correnteza, obedecendo às suas rotinas diárias e antecipadamente resignadas diante da impossibilidade de mudá-la, e acima de tudo convencidas da irrelevância e ineficácia de suas ações ou de sua recusa em agir”. (Zygmunt Bauman – Sociólogo polonês).

Referências

https://www.significados.com.br/autodidata/

https://anotasonhos.wordpress.com/2017/12/20/invente-se-e-depois-reinvente-se-de-charles-bukowski/

https://www.pensador.com/frases_zygmunt_bauman/

Graduado em Administração. Pós-Graduado em Gestão de Pessoas e Mba em Marketing Estratégico. Aprecio diversos tipos de leituras e temáticas atuais. Vejo que o mundo está cada vez mais complexo e dinâmico e o conhecimento é ilimitado. Nesse universo sem limites a alternativa é fazer articulação, confronto e reflexão constante de ideias para viver melhor. Sou curioso por natureza e um eterno aprendiz.
Últimas vagas de Empregos