A Revolução Dos Algoritmos

Algorítmo pode ser entendido como uma sequência de raciocínios, combinações e operaçoes tendo como objetivo o alcance de um resultado calculado previamente. É uma espécie de receita ou rotina para solucionar um problema ou tarefa com certa complexidade. Os algoritmos datam de tempos babilônicos remotos, mas tornaram-se mais populares na modernidade, principalmente, quando associados aos computadores e às estratégias de otimização para buscadores na internet. O conjunto de informações  e cenários segue uma sistemática lógica para concluir o processo.

A evolução humana está totalmente ligada à ideia de algoritmos. Aparelhos como celulares, aplicativos, computadores, smart TVs e tablets funcionam com sistemas totalmente baseados em algoritmos. Conforme novos comandos e possibilidades de uso surgem, significa que mais inovadores e complexos estão os níveis de instrução e funcionamento de determinados algoritmos. Assim como a tecnologia em si, as aplicações estão difundidas em diversas áreas, tais como no mercado de ações, vendas, pesquisas de mercado, marketing de relacionamento, compras online, logística, entre outros.

Em um mundo cada vez mais agitado, complexo e dinâmico, os algoritmos fazem o papel de um cérebro veloz e paralelo, visando as melhores decisões, captação de informações e inteligência artificial em meio a um universo de dados dispersos. O aspecto global e de extremas conexões úteis dá a eles a importância e justifica o destaque no mundo atual.

Os algoritmos estão em toda parte. Quando a bolsa de valores sobe ou desce, eles certamente estão envolvidos. Embora tenham impacto direto até mesmo atividades cotidianas, como a procura de atalhos no trânsito com a ajuda de aplicativos de celular, ainda são objetos intangíveis pela população de forma geral, que sente seus efeitos, mas não conhece em detalhes seu poder e modo de ação.

Segundo informações da Revista eletrônica Fapesp “algoritmos são sistemas lógicos tão antigos quanto a matemática. “A expressão vem da latinização do nome do matemático e astrônomo árabe Mohamed Al-Khwarizmi, que no século IX escreveu trabalhos de referência sobre álgebra”, explica a cientista da computação Cristina Gomes Fernandes, professora do IME-USP. Eles ganharam novos propósitos na segunda metade do século passado com o desenvolvimento dos computadores – por meio deles, foi possível criar rotinas para as máquinas trabalharem. A combinação de dois fatores explica por que suas aplicações no mundo real vêm se multiplicando e eles se tornaram a base do desenvolvimento de softwares complexos. O primeiro foi a ampliação da capacidade de processamento dos computadores, que aceleraram a velocidade da execução de tarefas complexas. E o segundo foi o advento do Big Data, o barateamento da coleta e do armazenamento de quantidades gigantescas de informações, que deram aos algoritmos a possibilidade de identificar padrões imperceptíveis ao olhar humano em atividades de todo tipo. A manufatura avançada ou Indústria 4.0, com sua promessa de ampliar a produtividade de linhas de produção, depende de algoritmos de inteligência artificial para monitorar plantas industriais em tempo real e tomar decisões sobre recomposição de estoques, logística e paradas de manutenção”.

 

OS GIGANTES DOS ALGORITMOS

GOOGLE: É o buscador mais popular e consequentemente o mais utilizado na internet atualmente. Em uma fração de segundos, milhares de sites, páginas, imagens e vídeos podem ser localizados mediante a descrição de uma palavra, termo ou frase em sua área de busca. O gigante Google revolucionou e continua aprimorando a cada momento sua forma de atuação e abrindo um leque de opções para integração de várias áreas e uma infinita comunicação e filtros do mundo contemporâneo. Uma fonte sem limites de informações aliada a um tempo recorde surgiu com esse gigante na virada do século.

FACEBOOK: A gigante das redes sociais, o facebook se espalhou e evoluiu de uma forma até assustadora considerando a quantidade de perfis e informações que concilia e oferece diariamente. O nome origina-se do apelido do livro artesanalmente preparado que era repassado entre os calouros das universidades americanas e que servia para que eles começassem a conhecer seus colegas na instituição.  O que começou como uma brincadeira tornou-se uma das empresas e marcas mais conhecidas e valiosas do mundo.

O excesso de publicações e dados faz com que seja difícil uma pessoa acompanhar tudo que acontece na rede. Assim, alguns dos infinitos critérios usados para definir o feed são: postagens a serem mostradas, nível de proximidade do usuário com quem postou o conteúdo, engajamento de outros amigos com a publicação e análises do comportamento prévio. Atualmente conta com mais de 7 bilhões de usuários ativos.

TWITTER: É a rede social que permite a seus usuários o envio e retorno de informações / atualizações de seus contatos. O Twitter foi criado em Março de 2006 e lançado em Julho do mesmo ano nos EUA por Jack Dorsey, Evan Williams, Biz Stone e Noah Glass. A ideia inicial do Twitter era ser uma espécie de “SMS da internet” com a limitação de caracteres de uma mensagem de celular. Inicialmente chamada Twttr (sem vogais), o nome da rede social, em inglês, significa gorjear. A ideia central é que o usuário da rede está “piando” pela internet. Atualmente conta com cerca de 280 milhões de usuários registrados.

 

YOUTUBE: O termo “youtube” foi feito a partir da junção de dois termos da língua inglesa: “you”, que significa “você” e “tube”, que provêm de uma gíria que lembra a palavra “televisão”. Em outras palavras seria a “televisão feita por você”. Essa é realmente a principal função do fenômeno da internet: permitir que os usuários postem, carreguem, assistam e compartilhem inúmeros vídeos em formato digital. Criado em  de 2005, por Chad Hurley e Steve Chen, dois integrantes de uma empresa de tecnologia da Califórnia, EUA. O site surgiu em virtude da dificuldade de compartilhar arquivos de vídeo, já que estes eram muito grandes, o que impedia envios via e-mail.

Além desse mencionados há inúmeros outros buscadores, sites, redes sociais, aplicativos e tantos outros que facilitam e fazem parte do cotidiano da humanidade desse presente século. A pergunte reflexiva é: poderíamos viver sem essa revolução de algoritmos? Quais os benefícios e reflexos negativos que podem gerar em um futuro próximo? Pense nisso.

 

Referências

 

https://revistapesquisa.fapesp.br/2018/04/19/o-mundo-mediado-por-algoritmos/

 

https://origemdascoisas.com/a-origem-do-youtube

 

https://oglobo.globo.com/economia/a-origem-do-facebook-4934191

 

https://www.sos.com.br/noticias/tecnologia/o-que-e-um-algoritmo

Graduado em Administração. Pós-Graduado em Gestão de Pessoas e Mba em Marketing Estratégico. Aprecio diversos tipos de leituras e temáticas atuais. Vejo que o mundo está cada vez mais complexo e dinâmico e o conhecimento é ilimitado. Nesse universo sem limites a alternativa é fazer articulação, confronto e reflexão constante de ideias para viver melhor. Sou curioso por natureza e um eterno aprendiz.
Últimas vagas de Empregos