Santos anuncia demissão de Fabián Bustos após eliminação na Sul-Americana

O Santos anunciou nesta quinta-feira a demissão do técnico Fabián Bustos, que vinha sofrendo com muita pressão interna e de parte da torcida. A decisão foi tomada pela diretoria após a eliminação para o Deportivo Táchira nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, em partida na qual o time santista buscou o empate no tempo regulamentar, mas acabou derrotado por 4 a 2 na disputa de pênaltis.

O clube também desligou o executivo de futebol Edu Dracena, que já havia se antecipado e emitido um comunicado nas redes sociais, revelando ter pedido demissão. A lista de dispensas também inclui o gerente de futebol Guilherme Lipi e o assessor do gerente Arnaldo Hase, além dos auxiliares Lucas Ochandorena e Carlos Caicedo e do preparador físico Marcos Conenna.

A queda para a equipe venezuelana marcou o sexto jogo seguido do Santos sem vitória na temporada. O último triunfo foi sobre o Juventude, no dia 14 de junho, e, antes disso, os alvinegros viveram uma série de sete jogos sem vencer. Nos últimos 13 jogos, portanto, saíram de campo com apenas um resultado positivo.

Anunciado no final de fevereiro, Bustos deixou o Barcelona de Guayaquil para assumir o comando técnico do clube da Vila Belmiro após a demissão de Fábio Carille. O argentino de 52 anos chegou ao litoral paulista em um momento no qual o time corria risco de rebaixamento no Campeonato Paulista. No fim das contas, evitou o desfecho dramático, o que é sempre lembrado por ele em suas coletivas de imprensa.

Mais de uma vez, ao defender seu trabalho, o treinador já disse considerar que sua equipe evoluiu muito em comparação aos primeiros meses deste ano. Logo depois da eliminação para o Táchira garantiu que não entregaria o cargo. “Pedir para sair? Eu, não. Sou uma pessoa de desafios. Não vim para ganhar mais, vim pelo que é o Santos. Em três anos, joguei semifinal de Libertadores e duas finais no Equador. Não estou feliz, temos que ganhar para recuperar a confiança”, disse.

Em 30 jogos sob o comando do Santos, Fabián Bustos somou nove vitórias, 13 empates e oito derrotas. Eliminado na Sul-Americana e com poucas chances de classificação na Copa do Brasil após perder por 4 a 0 para o Corinthians no jogo de ida, o time alvinegro está na décima posição do Campeonato Brasileiro, com 19 pontos. Para o jogo deste domingo, contra o Atlético-GO, o auxiliar técnico da comissão fixa, Marcelo Fernandes, estará no comando.

 

 

DRACENA SE DESPEDE

Pouca antes da oficialização das mudanças no Santos, o ex-zagueiro Edu Dracena comunicou sua saída em uma publicação no Instagram e disse que já estava pensando em pedir demissão há algum tempo. Dracena chegou ao Santos, clube no qual viveu momentos importantes da carreira como jogador, em outubro do ano passado. Antes, havia exercido o cargo de assessor técnico no Palmeiras, time em que encerrou a carreira de atleta.

Ele iniciou o trabalho na Vila Belmiro em uma fase de muita dificuldade financeira para o clube, que brigou para não cair no Campeonato Brasileiro de 2021 e no Paulistão da atual temporada. A Sul-Americana era tratada como um sopro de esperança de ter alguma conquista neste ano.

“Encerro hoje minha passagem como executivo de Futebol do Santos FC. Eu já vinha avaliando a minha saída há algum tempo e ontem, após o jogo, procurei o presidente Rueda e entreguei o cargo”, escreveu. “Assumi o time na zona de rebaixamento do Brasileiro 2021. Em 11 rodadas e com uma fantástica recuperação do elenco, alcançamos o décimo lugar e afastamos o risco de queda. Este ano, depois de um péssimo Campeonato Paulista, estamos na metade da tabela do Campeonato Brasileiro, chegamos às oitavas da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana. E falhamos. Tenho consciência de que a torcida do Santos merece mais”, completou.

No texto de despedida, o ex-defensor relembrou parte do trabalho que fez no clube santista. Na avaliação dele, seu grande mérito foi segurar garotos da base, os famosos Meninos da Vila, diante de constantes movimentações do mercado internacional. O agora ex-executivo de futebol cita nomes como Marcos Leonardo, Ângelo, Kaiky e Lucas Pires.

“Entre acertos e erros, deixo como legado uma mudança de chave: não permitir que o Santos perca seus maiores talentos formados na base. Nos últimos anos, o Clube perdeu atletas jovens por falta de planejamento. Meu ponto de honra foi dar um basta a esta situação. Renovamos os contratos das revelações mais importantes do Santos. Além do retorno esportivo que jovens como Marcos Leonardo, Ângelo, Kaiky e Lucas Pires já dão ao Santos – e darão muito mais! -, seus contratos longos vão garantir valores importantes no futuro, o que possibilitará a reestruturação financeira que o Santos tanto precisa”, afirmou.

“Graças a estas futuras vendas, meus sucessores terão uma estrutura ainda melhor para trabalhar e um orçamento infinitamente maior para a montagem do elenco do que eu tive. As contratações que fizemos foram feitas sempre dentro de um limite muito claro. Investimos perto de US$ 1 milhão para trazer todos os reforços este ano, valor inferior ao investido por quase todos os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro. Com as saídas e entradas, a folha salarial, hoje, permanece no mesmo patamar de 2021”, finalizou.

 

Conteúdo Estadão