Revezamento 4×400 m misto bate o recorde sul-americano, mas é eliminado nas Olimpíadas

30 de julho de 2021
revezamento
Mesmo com recorde sul-americano, a equipe de Tábata Carvalho ficou na sétima posição Foto: Wagner Carmo/CBAt

Mesmo com a melhor marca da história no continente, a equipe formada por Pedro Burmann, Tiffani Marinho, Tabata Carvalho e Anderson Henriques não conseguiu avançar para a final dos Jogos Olímpicos de Tóquio

 

A equipe velocista maringaense Tábata Carvalho fez sua participação nas Olimpíadas de Tóquio na manhã desta sexta-feira, 30, com grande expectativa de classificação. O time brasileiro do revezamento 4×400 m misto – especialidade que estreou no programa dos Jogos Olímpicos – bateu o recorde sul-americano na prova de hoje. Pedro Burmann, Tiffani Marinho,Tabata Carvalho e Anderson Henriques conseguiram a marca de 3:15.89, superando o melhor tempo anterior de 3:16.12, que também era do Brasil, desde a disputa do Campeonato Mundial de Doha-2019.

Mesmo com o novo recorde, porém, o quarteto nacional ficou fora da final, que está prevista para as 9:35 deste sábado (31/7) de horário de Brasília. O grupo terminou a segunda série semifinal em sétimo lugar (12º no geral).

“Tentamos fazer o nosso melhor. Tanto assim que batemos o recorde sul-americano. A prova teve um nível muito forte”, comentou Pedro Burmann. Já Tabata Carvalho lembrou a importância da inclusão da prova na Olimpíada. “Isso representa um trabalho rumo à igualdade de gêneros. Ter homens e mulheres na mesma prova é importante.”

A Polônia terminou as semifinais com o melhor resultado: 3:10.44, novo recorde europeu. Estados Unidos e República Dominicana que dominaram a primeira série acabaram desclassificados por invasão de raia.

A mineira Nubia Soares não conseguiu repetir as suas boas atuações do ano e não avançou para a final do salto triplo. Ela ficou em 10º lugar no grupo B de qualificação, com 14,07 m (0.0). No geral, ela ficou em 17º. A venezuelana Yulimar Rojas, companheira de treinamento de Nubia, na cidade de Guadalajara, na Espanha, saltou 14,77 m e terminou na primeira colocação.

Nubia teve vários problemas físicos neste ciclo olímpico tendo de superar uma lesão no tendão de Aquiles, que a tirou dos Jogos Pan-Americanos de Lima e do Mundial de Doha, ambas competições disputadas em 2019.

Já no arremesso do peso, a paulista Geisa Arcanjo terminou em 15º lugar no grupo B, com 16,46 m, e em 30º na classificação geral. Com isso, a atleta não conseguiu reeditar as campanhas de Londres-2012 e Rio-2016, quando disputou a final da especialidade. A chinesa Lijiao Gong obteve o melhor resultado, com 19,46 m.

Já na noite desta sexta-feira (manhã de sábado em Tóquio) 10 brasileiros têm participação prevista no Estádio Olímpico do Japão. Andressa Oliveira de Morais, Fernanda Borges e Izabela Rodrigues disputam a qualificação do lançamento do disco, a partir das 21:30; Augusto Dutra e Thiago Braz buscam vaga para a final do salto com vara, a partir das 21:40; Thiago André disputa a eliminatória dos 800 m, às 21:50; e Ketiley Batista participa das eliminatórias dos 100 m com barreiras, às 22:55.

Mais informações sobre o atletismo no Japão CLIQUE AQUI