Em entrevista ao Fantástico, Jorge Aragão fala sobre sua luta contra o câncer

Compartilhar

Foto: Reprodução / Instagram 

O cantor e compositor Jorge Aragão, que está em tratamento contra um câncer no sistema linfático desde julho, abriu seu coração ao programa Fantástico, da TV Globo, no último domingo, 13. Ele contou como a doença afetou sua vida e sua arte.

Jorge Aragão se emocionou ao lembrar de seu retorno aos palcos, em um show em Madureira, no Rio de Janeiro. Ele disse que sentiu o carinho e a energia do público, que o aplaudiu e o incentivou. “A gritaria que eu ouvia, a energia que subia, o pessoal ficou muito tempo gritando, numa cama de orações e energias boas, muito forte pra mim. Me fez caminhar até a frente do palco. Ali eu não aguentei (e chorei)… Eu tô vivo!”, declarou.

Ele também revelou que já fez a segunda sessão de quimioterapia e que a música é seu refúgio nos momentos difíceis. “Quando entro numa máquina dessas, de ficar mais de uma hora fazendo exame, só a música que me abraça, me envolve. Toda mudança física que estou tendo e vou ter, cabelo caindo, a barba…Não sei quem é o Jorge sem barba!.”, confessou.

Em um gesto de coragem e transparência, ele tirou o gorro que usava e mostrou a cabeça raspada. Diante do choro de Jorge Aragão, a repórter perguntou se ele queria continuar a entrevista. “Faz bem [a emoção]. Esse sou eu. É um renascimento”, respondeu.

Por fim, o cantor agradeceu ao apoio da família, especialmente de sua esposa e suas filhas. Ele também se mostrou grato e fortalecido: “Vou continuar batalhando para viver, para compor”.

Ao Fantástico, Jorge Aragão ainda cantou um trecho de uma nova música, ainda em composição: “Tô de cara com esse amor/Surreal, devastador/Na real, passei por nada igual, nem perto/Digamos que eu venha a sofrer/Faz parte, quero nem saber/Não sei se dá pra perceber/Tô tão feliz, chega a doer.”

O tipo de câncer que Jorge Aragão tem é o linfoma não Hodgkin, um tipo de câncer que afeta o sangue e o sistema linfático, responsável pela defesa do organismo. Segundo o Inca,, há mais de 20 tipos diferentes de linfoma não Hodgkin, com diferentes graus de severidade.


Compartilhar