Aumento dos casos de suicídio nos EUA: quase 50 mil pessoas tiraram a vida

Compartilhar

Relatório divulgado esta semana aponta para um aumento preocupante nas taxas de suicídio nos Estados Unidos, atingindo o nível mais alto em mais de oito décadas.

Este aumento é atribuído principalmente às consequências da pandemia de COVID-19, que exacerbou questões de saúde mental, incluindo ansiedade e depressão.

Ajuda

Para as pessoas que querem e precisam conversar, o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece apoio emocional e prevenção do suicídio por meio do telefone 188, além das opções chat e e-mail.

Dados alarmantes

De acordo com dados provisórios do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, quase 50.000 americanos cometeram suicídio no ano passado. Este número representa um aumento de 3% em relação a 2021. A taxa de suicídio de 14,3 mortes por 100.000 pessoas é a mais alta desde 2021. Notavelmente, as mulheres registraram um aumento maior nas taxas de suicídio (4%) comparado aos homens (1%).

Jovens e esperança

Apesar desses números sombrios, há sinais encorajadores entre os jovens. As taxas de suicídio diminuíram significativamente entre crianças de 10 a 14 anos (18%) e jovens de 15 a 24 anos (9%), sugerindo que os esforços para abordar a crise de saúde mental dos jovens estão surtindo efeito.

Aumentos em faixas etárias específicas

Contrastando com a tendência entre os jovens, as taxas aumentaram para a maioria das faixas etárias acima de 35 anos, com um aumento notável entre pessoas de 55 a 64 anos (9%).

Desigualdades raciais

O suicídio entre indígenas americanos e nativos do Alasca diminuiu 5%, mas ainda permanece significativamente mais alto em comparação com outros grupos raciais e étnicos.

Contexto histórico e respostas governamentais

Os suicídios têm aumentado constantemente neste século, levando o cirurgião-geral dos EUA, Vivek Murthy, a estabelecer uma estratégia nacional atualizada para prevenir o suicídio em 2021. O governo lançou uma nova linha direta de prevenção ao suicídio e saúde mental, a 988, facilitando o acesso a ajuda em crises. Embora os contatos com a linha direta tenham aumentado, desafios de conscientização e financiamento persistem.

Desafios contínuos

A escassez de profissionais de saúde comportamental e a cobertura inadequada de serviços de saúde mental significam que muitos americanos ainda lutam para encontrar o suporte necessário. Este cenário ressalta a necessidade urgente de abordar as deficiências no sistema de saúde mental do país.

Quadro preocupante

Os novos dados federais sobre suicídio nos EUA pintam um quadro preocupante, especialmente à luz dos impactos da pandemia de COVID-19. Enquanto alguns grupos mostram melhorias, o aumento geral nas taxas de suicídio destaca a necessidade crítica de intervenções mais eficazes e acessíveis em saúde mental.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


Compartilhar