Alunos superdotados contam com ampla rede de acolhimento na rede estadual do Paraná

Compartilhar

Júlia Batista de Souza tem 13 anos e, apesar de ainda bem jovem, já passou por uma experiência que muitos talvez jamais tenham a oportunidade de vivenciar: ela foi um dos destaques entre os participantes de altas habilidades no quadro “Pequenos Gênios”, do programa Domingão com Huck, da TV Globo. Ela é paranaense, estuda no Colégio da Polícia Militar de Londrina, no Norte do Estado, e frequenta a sala de recursos para altas habilidades/superdotação (AH/SD) do município, onde o talento da jovem sempre mostrou-se evidente.

Apaixonada pela disciplina de Ciências, Júlia faz parte do grupo de cerca de 6.500 alunos da rede estadual de ensino com o mesmo perfil. Em 2019 eram 1.440 alunos com altas habilidades cognitivas em áreas distintas. Neste 10 de agosto é comemorado o Dia Internacional da Superdotação e, em referência à data, a Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR) celebra os avanços no suporte aos alunos que se enquadram nesta condição e o crescimento significativo de estudantes na rede estadual que, hoje, frequentam as salas de recursos multifuncionais.

Júlia participa das atividades especiais da Seed-PR no contraturno escolar. Como toda adolescente com altas habilidades, a jovem se cobra muito, por isso, além das aulas, ela conta também com acompanhamento terapêutico. Ela gosta das aulas do contraturno. Além de contribuir para o desenvolvimento da aluna, a frequência foi determinante para sua participação no programa global, onde mostrou sua capacidade de soletrar palavras.

“A Júlia sempre foi acima da média, mas foi em 2022, com a ajuda da escola e da professora Fabiana Mori, identificamos seu potencial. Ela adora a sala de recursos e gosta de fazer testes de lógica, de criatividade e de raciocínio”, afirma Silvana Batista da silva, mãe da estudante.

Hoje, a Seed-PR atende mais de 3,5 mil alunos com superdotação em cerca de 278 salas de recursos multifuncionais espalhadas pelo Paraná. Além destes, mais 644 recebem apoio das equipes de atendimento educacional especializado (AEE) nas Escolas de Tempo Integral, com atendimento voltado às necessidades educacionais especiais, e também nas 20 escolas de referência para altas habilidades/superdotação. Os demais estão em estágios ou ensino profissionalizante.

A Secretaria da Educação oferta aos estudantes superdotados Salas de Recursos Multifuncionais para Altas Habilidades/Superdotação (SRMAH/SD); Escolas de Referência; Atendimento Educacional Especializado para Altas Habilidades/Superdotação (AEE-I para AH/SD); Turmas Paraná +; e aceleração de estudos para conclusão em menor tempo da série ou etapa escolar e enriquecimento curricular, que deve ser promovido na sala de aula comum pelos professores das disciplinas, conforme a Matriz Curricular de cada ano/etapa escolar.

“Nosso objetivo é orientar e instrumentalizar os professores do atendimento educacional integral para que estejam aptos a atender esses estudantes, produzindo aulas e atividades muito dinâmicas”, destaca o secretário da Educação, Roni Miranda.

“Diferente do que muitos pensam, atender as necessidades educacionais do estudante superdotado não é uma ação pedagógica extraordinária, mas legítima, pautada no direito constitucional do acesso à educação deste público”, acrescenta Denise Matos, coordenadora do Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S) e técnica pedagógica do Departamento de Educação Inclusiva da Secretaria de Estado da Educação.

ATENDIMENTO ESPECIALIZADO – O processo de identificação dos estudantes com superdotação passou por uma mudança em 2022, com cursos intensivos de formação de professores de toda a rede com foco na atuação em escolas de referência. Além dos professores, também participaram especialistas das salas de recursos multifuncionais para AH/SD, especialistas das escolas em tempo integral e técnicos em educação especial dos Núcleos Regionais de Educação (NREs).

O curso foi organizado e ministrado pela equipe do NAAH/S e o Departamento de Educação Inclusiva da Seed-PR (DEIN), com critérios definidos para que os participantes tivessem condição de identificar os alunos com altas habilidades.

Uma das participantes foi Kátia Monteiro, que é pedagoga da rede estadual e municipal de Educação de Curitiba, e possui especializações nas áreas de educação especial, psicopedagogia clínica e institucional, serviço de atendimento educacional especializado para estudantes com Altas Habilidades/superdotação e mestrado em Educação. “Trabalhar com alunos com altas habilidades/superdotação é um estímulo para que qualquer pedagogo fique antenado em absolutamente tudo”, afirma.

Kátia é, hoje, responsável pelo atendimento de 27 alunos numa das salas de recursos do Estado. “Eles são atendidos em grupos de três, dois, ou individualmente, dependendo da necessidade, por um mínimo de duas aulas por semana. Nesse período, mergulham intensamente em seus tópicos de interesse, realizando atividades com foco individual naquilo que mais lhes interessa”, explica.

O intuito das atividades, como explica a professora, é propiciar aos alunos melhor vinculação com a aprendizagem e com os colegas, além de fomentar o desenvolvimento de seu potencial criativo e dar oportunidade às atividades desafiadoras. “Essas atividades são desenvolvidas a partir de estudos de grandes especialistas internacionais na área das Altas Habilidades, com foco nas áreas de exatas, tecnologias e outras linguagens e ciências naturais e humanas aplicadas”, ressalta.

ALUNAS DESTAQUES – Outra aluna de destaque é Maria Fernanda Mouta, de 13 anos. De personalidade questionadora, a jovem aprendeu a ler e escrever mais cedo que a média dos outros alunos. Talento que, para os pais, seria natural. Foi em 2022, no Colégio Estadual Papa João Paulo I, em Curitiba, que a performance em sala chamou a atenção e logo a aluna seria reconhecida como pessoa com altas habilidades.

“Ela tinha certa dificuldade de fazer amizades com pessoas da idade dela, porque sempre a achavam ‘metida’. Com o tempo, a característica passou a ser vista como qualidade e depois de participar do grupo de altas habilidades fazer colegas ficou ainda mais fácil para ela”, conta a mãe, Denimar da Silva Mouta. “Digo sempre para as mães que me relatam atitudes parecidas com a da Maria para procurarem um lugar onde tenham esse cuidado, pois as crianças precisam que as escolas invistam nelas e as amparem”.

Aluna do Colégio Estadual Santa Cândida, em Curitiba, Roxanne Cristina Alves é dedicada aos estudos e interessada em política. A jovem participa do grupo de altas habilidades da escola, integrando a classe avançada em linguagem. “É um privilégio fazer parte do grupo e gostaria que outros jovens e crianças que possuem esse talento fossem reconhecidos e incentivados”, sugere.

Ela representou o Paraná no programa Jovem Senador, promovido anualmente pelo Senado Federal, em parceria com o Ministério da Educação. Roxanne conquistou o primeiro lugar entre as mais de 400 redações de alunos da rede estadual de ensino. O prêmio a habilita a passar quatro dias em Brasília, para vivenciar o processo de discussão e elaboração das leis do país, conforme a atuação dos senadores da República.

DIA INTERNACIONAL – Instituída pelo Conselho Mundial das Crianças Superdotadas e Talentosas, em 2011, na República Tcheca, a data tem a finalidade de apoiar e dar visibilidade às ações voltadas para estudantes superdotados em todo o mundo. A cor escolhida para representar o grupo foi o laranja, que simboliza inteligência e criatividade.


Compartilhar