Ministro da Agricultura anuncia compra de leite de cooperativas em visita a Castro

ministro da Agricultura e da Pecuária, Carlos Fávaro
Compartilhar

O ministro da Agricultura e da Pecuária, Carlos Fávaro, anunciou nesta terça-feira (8), durante o Agroleite, em Castro, na região dos Campos Gerais, que o governo federal, por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vai comprar leite em pó das cooperativas a preço de varejo e implementar esse alimento nos programas sociais.

Essa é uma das soluções imediatas do governo para compensar os produtores brasileiros que têm sido prejudicados em função do aumento das importações.

O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que as medidas anunciadas ajudam os produtores. “A cadeia está passando por esse estresse difícil porque temos a concorrência externa pesada, com leite barato ingressando em um ponto muito fora da curva, muito anormal”, acentuou. “Olhando mais para longe, temos convicção de que com a nossa pegada tornaremos o leite também uma cadeia vitoriosa, inclusive no mercado internacional”.

Ortigara esteve em Brasília em julho juntamente com os outros seis secretários da Agricultura dos Estados do Sul e do Sudeste levando esse pedido de solução também ao vice-presidente Geraldo Alckmin. “Há necessidade de proteção para os produtores, por isso tudo que for possível fazer para dificultar o ingresso de leite barato vai ajudar”, afirmou.

O leite é o quarto produto que mais gera renda no campo paranaense, atrás da soja, carne de frango e milho.

Somente nos primeiros sete meses deste ano, o Brasil importou mais de 7,7 milhões de litros, especialmente da Argentina e do Uruguai. Para internalizar o leite o País gastou mais de US$ 31,2 milhões. O volume supera em quase três vezes o que o Brasil importa em período normal.

A região dos Campos Gerais é uma das maiores bacias leiteiras do País. O município de Castro foi o campeão em 2022, com 425,7 milhões de litros, o que resultou em Valor Bruto de Produção preliminar de R$ 1,1 bilhão.

O ministro reforçou que, ao lado da medida emergencial, o governo quer discutir com os países do Mercosul medidas de fortalecimento. “Temos um acordo que precisa ser fortalecido, mas não podemos deixar que seja predatório e que haja qualquer interferência de qualquer país que não seja do Mercosul nessa distribuição de leite no Brasil”, disse. “Estamos muito atentos a isso”.

GRÃOS

Carlos Fávaro também disse que deve ser implementada a mudança na janela de plantio da soja no Paraná, com o término estendido até 31 de janeiro de 2024. Antes a data estava fixada para 19 de dezembro de 2023. Esse é um dos pedidos dos produtores do Estado, principalmente da região Centro-Sul, que cultiva a soja no final de dezembro e começo de janeiro e produz semente.

“É um pleito legítimo apresentado pelo Governo do Paraná e pela Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná), é uma janela que precisa ser estendida para uma região importante, que produz semente e que faz duas safras e meia a cada três anos”, afirmou Fávaro. Segundo ele, os técnicos do ministério passam agora a se debruçar nas exceções, como a paranaense. “Elas serão baseadas na ciência”, disse.

MALTARIA

Ortigara também acompanhou o ministro em uma visita nas obras da Maltaria Campos Gerais, em Ponta Grossa. A previsão é começar a operar em novembro. Seis cooperativas – Agrária, Coopagrícola, Capal, Bom Jesus, Frísia e Castrolanda – investem R$ 1,6 bilhão para produzir 240 mil toneladas de malte por ano.

O Brasil é o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, mas importa quase todo o malte necessário. “Com essa maltaria e outra anunciada em Guarapuava para maltes especiais provavelmente poderemos abastecer mais de 40% das necessidades do Brasil”, salientou o secretário. “Reduziremos a importação e geramos oportunidade para os agricultores da parte mais ao Sul do Estado, que têm mais uma alternativa boa para usar adequadamente o solo no inverno”.

A comitiva visitou ainda a unidade de beneficiamento de leite da Castrolanda e uma propriedade rural para conhecer o manejo robotizado de gado.

AGROLEITE

O presidente da Castrolanda, organizadora da Agroleite, que se estende até o dia 11 (sexta-feira), Willem Berend Bouwman, destacou a importância do evento. São 490 animais expostos e a participação de 269 empresas em 35 hectares. A previsão é de movimentar R$ 150 milhões e receber 100 mil visitantes. “O Agroleite passa pela tecnologia e aqui vem o que há de mais inovador”, disse.

AEN

Foto: SEAB


Compartilhar