Corredor Leste de Paranaguá registra maior movimentação do primeiro semestre em 50 anos

Porto de Paranaguá
Compartilhar

As exportações pelo Corredor Leste do Porto de Paranaguá (Corex) somaram 11.100.407 toneladas de janeiro a junho de 2023. A alta é de 17,8% na comparação com os seis primeiros meses de 2022, quando 9.420.561 toneladas foram movimentadas.

O volume é o maior movimentado em um único semestre em 50 anos, desde a inauguração em 1973.

O diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, destaca a produtividade no embarque de grãos em um único semestre. “Houve aumento significativo no embarque de todos os produtos do Corex. O grão de soja, especialmente, registrou alta de 22,4% no semestre (de 5.327.831 para 6.526.220 toneladas) e impulsionou os números gerais”, afirma.

De todo o volume embarcado pelo Corex no primeiro semestre deste ano, soja em grão reuniu o equivalente a 58,7% do total. Na sequência, aparece farelo de soja com participação de 23,6% (2.629.108 toneladas), seguido pelo milho, com 17,2% (1.914.439 toneladas), e o trigo, com 0,2% (30.640 toneladas).

Somente em junho foram movimentadas 2.085.879 toneladas de grãos. No comparativo ano contra ano, o volume é 20,7% maior que as 1.727.400 toneladas embarcadas sentido exportação no mesmo mês em 2022.

O tempo médio de atracação nos três berços do corredor reduziu de 2,84 dias em junho do ano passado para 2,35 dias no mesmo período deste ano. Já a produtividade média de embarque subiu de 817,14 toneladas/hora para 1.088,67 toneladas/hora no mesmo período.

BERÇOS COM RECORDE

Os embarques do Corredor Leste de Exportação do Porto de Paranaguá são realizados por três berços exclusivos: 212, 213 e 214. Foram 177 navios carregados no primeiro semestre de 2023, ante 163 de janeiro a junho do ano anterior.

O berço que mais produziu no embarque foi o 213, com 4.680.465 toneladas de carga, em 74 navios. No complexo, operam interligados por correias transportadoras os silos públicos (vertical e horizontais), operados pelos integrantes da Associação dos Operadores Portuários do Corredor de Exportação (AOCEP); AGTL; Cargill; Cimbessul; Centrosul; Coamo; Coamo II; Cotriguaçu; Interalli; Louis Dreyfus; e Rocha.

Os volumes mais expressivos de movimentação ocorreram no segundo trimestre de 2023. Em janeiro, foram 1.240.560 toneladas; em fevereiro, 1.530.130 toneladas; em março, 1.913.484 toneladas; em abril, 1.762.599 toneladas; em maio, 2.567.755 toneladas; e em junho, 2.085.879 toneladas.

O segundo semestre também teve um novo recorde no berço 213 do Corex. A marca foi superada em um carregamento realizado do dia 15 para 16 de julho, quando foram embarcadas 62.000 toneladas de soja no navio Yiannis B no período de 24 horas, operado pelo Rocha. O recorde anterior em 24 horas era de 57.193 toneladas, em 2019.

MOVIMENTAÇÃO GERAL COM RECORDE

O desempenho das exportações pelo Corredor Leste se soma a outro marco deste ano. No primeiro semestre, os embarques e desembarques feitos pelos dois terminais, Paranaguá e Antonina chegaram a 30.898.006 toneladas, um aumento de 6% em relação ao mesmo período de 2022 (com 29.013.459 toneladas).

Especificamente em junho, entre importações e exportações, 5.677.557 toneladas de cargas passaram pelos terminais de Paranaguá e Antonina nos 30 dias. Comparado a junho do ano passado, que registrou 3.181.077 toneladas, o aumento foi de 12%.

O desempenho nos seis primeiros meses ajudou o Paraná a alcançar o recorde de exportações num primeiro semestre e reforça a expectativa positiva para o segundo semestre, conforme avaliam dirigentes da empresa pública Portos do Paraná. Junho registrou a quarta alta mensal consecutiva – março, abril e maio também tiveram elevação nos volumes.

AEN

Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná


Compartilhar