Marisa conclui processo de reestruturação financeira e fecha 88 lojas

Lojas Marisa
Compartilhar

A rede de moda feminina Marisa concluiu seu processo de reestruturação financeira, resultando no fechamento de 88 lojas, quatro a menos do que o planejado originalmente. Segundo a empresa, a operação resultou em uma economia de R$ 44,5 milhões, valor investido na desativação das unidades.

A Marisa iniciou o plano de reestruturação com o objetivo de recuperar a capacidade de geração de caixa e voltar a ser rentável. “A empresa concluiu dentro do prazo previsto as principais e mais desafiadoras ações planejadas no plano de otimização operacional”, declarou a companhia em comunicado oficial.

Com a desativação de algumas lojas, a empresa decidiu preservar unidades onde foram identificadas oportunidades de melhoria e aumento da eficiência operacional. O custo para o fechamento das lojas ficou 16% abaixo do inicialmente previsto, resultando numa economia significativa para a empresa.

Além disso, a Marisa projeta uma captura potencial de Ebtida (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de cerca de R$ 40 milhões em 2023 e aproximadamente R$ 60 milhões ao ano a partir de 2024. “O foco, para o atual número de 246 lojas, será maximizar a produtividade e o resultado operacional, com suporte do braço digital e inovações no modelo operacional”, informou a empresa.

A Marisa também concluiu a primeira parte do processo de redução de despesas de vendas, gerais e administrativas (SG&A), gerando uma economia extra de caixa de R$ 35 milhões ao ano. A empresa também espera economizar pelo menos R$ 10 milhões por ano com a otimização de serviços terceirizados e outras despesas.

A companhia conseguiu renegociar dívidas com 90% de seus fornecedores e 97% de seus parceiros de revenda. Essa ação faz parte de um conjunto de estratégias adotadas pela Marisa para lidar com uma crise financeira que a tem atingido por mais de uma década.

A Marisa é uma das maiores redes de moda feminina e lingerie do Brasil, mas tem enfrentado uma longa crise financeira. Para tentar superar a crise, a empresa contratou a BR Partners e a Galeazzi Associados para auxiliar na renegociação de dívidas e aprimoramento de sua estrutura de custos. No entanto, a empresa ainda registrou um prejuízo líquido de R$ 148,9 milhões no primeiro trimestre deste ano.

Foto: Divulgação


Compartilhar