Ex-governador do Paraná, Requião é mais um especulado para uma provável eleição suplementar ao Senado

Compartilhar

Insatisfeito no Partido dos Trabalhadores (PT), onde se filiou em 2022, ele tem em mãos um convite para se juntar ao Rede Sustentabilidade. Mudança de partido estaria atrelada a uma disputa pela vaga de Sergio Moro (União Brasil).

Por Victor Ramalho

Menos de um ano após se juntar ao Partido dos Trabalhadores (PT), o ex-governador do Paraná Roberto Requião já pode estar de saída da legenda. Segundo apuração da colunista Roseann Kennedy, do Estadão, ele tem em mãos um convite para se juntar ao Rede Sustentabilidade, que nacionalmente é presidido pela ministra do Meio Ambiente e Mudança Climática, Marina Silva.

De acordo com a jornalista, o convite a Requião teria sido feito na quinta-feira (13) pelo vereador de Curitiba, Jorge Bernardi, porta-voz do Rede no Paraná. Por traz do convite, estaria a insatisfação do ex-governador com a falta de espaço dentro do PT.

A coluna do Estadão traz a informação de Roberto Requião teria se incomodado com declarações da primeira-dama, Janja Lula da Silva, colocando a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, como candidata da sigla na provável eleição suplementar ao Senado, caso Sergio Moro (União Brasil) tenha o mandato cassado.

Segundo colunistas políticos do Paraná, como Fernando Tupan e Cláudio Osti, Requião também teria interesse na disputa pela cadeira de Moro. Aos 82 anos, Roberto Requião já foi senador do Paraná por duas oportunidades, entre 1995-2003 e 2011-2019.

Foto: Ricardo Stuckert/Arquivo/Partido dos Trabalhadores


Compartilhar