Ginecologista suspeito de abusar de pacientes em Maringá tem prisão temporária prorrogada pela Justiça

Compartilhar

Foto: Reprodução / RPC

Felipe Sá, médico ginecologista e obstetra preso acusado por mais de 40 mulheres de abuso sexual em Maringá tem prisão temporária prorrogada para mais trinta dias.

A Justiça atendeu ao pedido da Polícia Civil.

O delegado responsável pelo caso, Dimitri Tostes, disse que o motivo do pedido está relacionado à proteção às testemunhas.

De acordo com o delegado, busca-se evitar qualquer intimidação ou constrangimento às mulheres que prestaram ou ainda irão prestar depoimento.

O médico só será interrogado após os depoimentos de mulheres e o resultado da perícia que está sendo feita em aparelhos eletrônicos apreendidos na operação.

O caso deve ser concluído até o fim de julho.

 

 


Compartilhar