Agosto Dourado: a importância da amamentação

Neste mês, celebra-se o Agosto Dourado, criado em 1992 pela OMS e UNICEF, ganhou esse nome para fazer alusão a riqueza que é o leite materno. E na primeira semana do mês de agosto, comemora-se a Semana da Amamentação.

A Enfermeira Silvia Paulino é Professora do curso de Medicina da PUC Londrina e Doutora em Ciências da Saúde. Em entrevista ao Maringá Post, ela relata que a campanha visa estimular e instruir famílias e mães ao redor do mundo sobre o aleitamento correto e saudável.

A professora Silvia explica que é muito importante o apoio familiar para a mãe, principalmente as mães de primeira viagem, porque o período de pós parto e de amamentação fragiliza muito física e emocionalmente as mães. Considerando ainda que, ao mesmo tempo em que elas lidam com as necessidades de seus recém nascidos, muitas fazem trabalhos domésticos, estudam ou trabalham fora, mesmo possuindo licença maternidade.

Por conta disso, a rede de apoio familiar, que convive com as mães e bebês é tão importante, para auxiliá-las e compreendê-las, para que o aleitamento materno dê certo, já que amamentar é um processo que necessita de paciência, pois mesmo que o leite materno seja o melhor alimento para os bebês, é preciso estimular a produção de leite, a sucção do bebê e até mesmo, às vezes os seios da mãe podem desenvolver mastite.

Mas a professora Silvia reforça a importância da amamentação, apesar das dificuldades que podem vir a tona. Ela explica que bebês amamentados tendem a ter menos problemas intestinais, menos infecções de ouvido, criam vínculos mais fortes com as mães segundo a psicologia, além de desenvolverem melhor seus sistemas imunológicos.

As mamães que amamentam também são beneficiadas. Paulino diz que o aleitamento auxilia na prevenção de doenças como câncer de mama, de ovário e endométrio e também ajuda a evitar osteoporose e doenças cardiovasculares.